AP Photo/Marcelo Chello
AP Photo/Marcelo Chello

Torcida do Palmeiras faz festa no Allianz Parque após tricampeonato da Libertadores

Muitos torcedores alviverdes estiveram desde cedo nos arredores do estádio acompanhando a final contra o Flamengo

Redação, O Estado de S.Paulo

27 de novembro de 2021 | 23h14

A conquista do tricampeonato da Copa Libertadores pelo Palmeiras levou milhares de torcedores neste sábado às ruas de São Paulo, em especial no entorno do Allianz Parque. Desde cedo, a torcida já ocupava as ruas nos arredores do estádio e comemorou bastante a vitória alviverde por 2 a 1 sobre o Flamengo, que garantiu a taça. Na última quarta-feira, os torcedores do clube já haviam feito uma grande festa na Academia de Futebol apoiando os jogadores no embarque rumo ao Uruguai, local da final.

A festa do título nas ruas contou com bateria, bandeiras e sinalizadores. Um dos nomes mais celebrados foi de Deyverson, autor do segundo gol e herói da conquista. Em 2018, o atacante já havia marcado o gol do título do Campeonato Brasileiro na vitória sobre o Vasco por 1 a 0, em São Januário. Após a partida, o atacante celebrou o momento especial.

“Tive altos e baixos. Não culpo ninguém pelos altos e baixos. Cometi falhas, mas nunca deixei de trabalhar e ajudar meus companheiros. Só tenho que agradecer a Deus. Estou muito feliz. Nem sei explicar”, afirmou.

Outro nome bastante comemorado foi do técnico Abel Ferreira, que levantou seu segundo caneco da Libertadores pelo Palmeiras. A decisão sobre o seu futuro não será definida agora, logo depois da conquista da Libertadores. O treinador português afirmou que terá de fazer uma "reflexão muito grande" com a família para decidir se continua o seu trabalho ou se encerra a sua vitoriosa passagem no clube paulista com três títulos, por enquanto.

São dois os motivos que levam Abel a ter de refletir sobre o seu futuro: o calendário "insano" do futebol brasileiro, como ele mesmo definiu, que não permite descanso aos atletas e treinadores e deixa a saúde física e mental desgastada, e a saudade da família. A mulher e as duas filhas de Abel moram em Portugal, sua terra natal. Seu contrato terminar no fim de 2022.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.