Torcida paraense agradece a Robinho

Robinho foi a motivação que o apaixonado torcedor paraense encontrou para voltar em massa ao Mangueirão. E foi essa gente hospitaleira que gritou seu nome da porta do hotel onde o Santos ficou hospedado até o estádio Mangueirão. Até quem não torce pelo Santos foi ao jogo somente para ver o atacante que vai jogar na Espanha. "Obrigado pelo que você fez pelo Santos e pelo Brasil", dizia um cartaz do torcedor Otávio de Castro Ferreira, que viajou 900 km de São Luís do Maranhão para ver seu ídolo se despedir da torcida brasileira. Meio assustado, o jogador foi abraçado por uma criança na boca do túnel e ouviu uma declaração que o deixou comovido: "Robinho, eu te amo". A autora da frase, a menina Daniela Cardoso Couto, foi retribuída com um beijo no rosto. Outros garotos queriam apenas um autógrafo: tiveram sorte e saíram felizes. Os seguranças contratados para proteger Robinho trabalharam mais que a defesa do Paysandu que o jogador enfrentaria mais tarde. No vestiário do Santos, a ordem era não deixar ninguém se aproximar do craque. A diretoria do Real Madri também cuidou de sua nova estrela, mandando para Belém um cinegrafista do clube e uma repórter para fazer a cobertura do jogo e anotar tudo o que acontecia dentro e fora de campo. O próprio jogador, no intervalo do primeiro tempo, sussurrou a um repórter que tentava entrevistá-lo que iria viajar para a Espanha logo depois da partida.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.