Torcida pede que São Paulo entregue, mas time descarta

Resultados negativos da equipe podem prejudicar o Corinthians na disputa pela classificação

Fernando Faro, O Estado de S. Paulo

09 de março de 2014 | 19h33

SÃO PAULO - Em meio aos festejos pela vitória contra o Corinthians e o fim do jejum de 12 clássicos sem um triunfo, a torcida do São Paulo começou a pedir que o time perca o jogo contra Ituano, na próxima rodada, para tentar eliminar os corintianos já na primeira fase do Campeonato Paulista. Mas, no que depender do elenco são-paulino, isso não acontecerá.

Como está a dois pontos do Ituano, que é o segundo colocado do grupo B, o Corinthians pode até ser eliminado no próximo domingo, caso tropece diante do Penapolense em Penápolis e a equipe de Itu vença o São Paulo no Morumbi.

Questionados sobre a possibilidade de diminuir o ritmo diante do adversário direto dos corintianos, os jogadores do São Paulo prontamente rebateram as insinuações e prometeram o mesmo espírito combativo das últimas partidas. "Eles dependem da gente mais uma vez. Faremos nossa parte que é ganhar os jogos, como fazemos sempre", ironizou o atacante Luis Fabiano.

A estocada do atacante lembra quando Grafite evitou o rebaixamento corintiano no Paulistão de 2004: ele marcou os dois gols na vitória de 2 a 1 sobre o Juventus e salvou o Corinthians da queda. Mesmo admitindo que gostaria de ver o rival fora da próxima fase, o técnico Muricy Ramalho disse que jamais faria isso acontecer por "corpo mole".

"Quando entramos em campo com a camisa do São Paulo, a responsabilidade é muito grande e temos que ter respeito. Todas as vezes que entro em campo é para ganhar. Falei que era bom o Corinthians fora para nós porque é um grande time, assim como eles gostariam que ficássemos fora", disse Muricy.

Tudo o que sabemos sobre:
futebolSão Paulo FCCorinthians

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.