Paulo Pinto/AE
Paulo Pinto/AE

Torcida protesta mais uma vez e joga pedras no ônibus do Corinthians

Ronaldo, Roberto Carlos e o presidente Andrés Sanchez foram os alvos das críticas

AE, Agência Estado

05 de fevereiro de 2011 | 11h13

SÃO PAULO - A torcida do Corinthians realizou neste sábado o protesto mais violento após a eliminação da equipe na noite de quarta-feira na fase preliminar da Copa Libertadores com a derrota por 2 a 0 para o Deportes Tolima, na Colômbia. Mais de 200 torcedores foram ao centro de treinamento do clube, no Parque Ecológico do Tietê, na zona leste da cidade de São Paulo, e arremessaram pedras e objetos no ônibus da equipe no momento mais tenso da manifestação.

Quando o ônibus do Corinthians chegou ao CT para o treinamento deste sábado escoltado por três carros da polícia, os torcedores intensificaram os protestos e jogaram pedras, milho e objetos contra os vidros. Os policiais tiveram dificuldade para conter os manifestantes e utilizaram bombas de gás lacrimogêneo para dispersar os torcedores.

O lateral-esquerdo Roberto Carlos, o atacante Ronaldo e o presidente Andrés Sanchez foram os principais alvos dos protestos da torcida do Corinthians, que também levou faixas ao CT. "Fora Andrés e sua corja", "Ronaldo aposentado. O Timão não é INSS" e "Ingresso R$ 500, futebol R$ 1,99" eram algumas das inscrições das faixas.

O Corinthians encerrou neste sábado a sua preparação para o clássico contra o Palmeiras no Estádio do Pacaembu, domingo, às 17 horas, pela sétima rodada do Campeonato Paulista. Roberto Carlos e Ronaldo não vão participar do primeiro jogo da equipe após a queda precoce na Libertadores.

Com dois jogos a menos do que a maioria de seus concorrentes, o Corinthians é apenas o 12.º colocado do Paulistão, com seis pontos conquistados em quatro rodadas: uma vitória apenas e três empates. O Palmeiras lidera o torneio com 16 pontos.

Veja também:

mais imagens GALERIA - Fotos da violência no CT do Corinthians

link Através do Twitter, Ronaldo repudia violência da torcida

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.