Daniel Teixeira/Estadão
Daniel Teixeira/Estadão

Torcida solta o grito e Corinthians pode ser campeão neste domingo

Time sofre, faz 2 a 1 no Coritiba e torce por tropeço do Atlético-MG, diante do Figueirense, para garantir o hexacampeonato nacional

Raphael Ramos, O Estado de S. Paulo

07 Novembro 2015 | 21h41

Se o Atlético-MG tropeçar hoje diante do Figueirense e o Corinthians conquistar o hexacampeonato brasileiro com quatro rodadas de antecedência, o personagem do último ato dessa conquista será Lucca. Neste sábado, no Itaquerão, o atacante saiu do banco no segundo tempo para, aos 43 minutos, marcar o gol que garantiu a vitória por 2 a 1 sobre o Coritiba.

Lucca salvou a pele dos seus companheiros, que fizeram uma partida abaixo da crítica. O Corinthians não soube controlar a sua própria ansiedade e jogou muito mal. Deu, inclusive, várias chances para o Coritiba ganhar.

Com o resultado deste sábado, o Corinthians chegou aos 76 pontos, 14 a mais do que o Atlético-MG, segundo colocado. Para garantir a taça neste domingo, o time mineiro tem de no máximo conseguir um empate em Florianópolis.

Para a torcida, no entanto, o título já está consumado. Ontem, os 43.688 pagantes (recorde de público no Itaquerão) gritavam “é campeão” ao fim da partida. Os jogadores não deram volta olímpica, mas fizeram questão de ir ao centro do gramado, para agradecer a força da torcida, que mesmo nos momentos mais difíceis da partida, com o time jogando muito mal, não deixou de apoiar.

Ao contrário do que se poderia imaginar, o Corinthians não começou o jogo acelerado, pressionando o Coritiba. O time trocava passes de lado e abdicava das jogadas verticais para tentar furar o bloqueio da defesa paranaense.

O Coritiba não oferecia perigo algum e o Corinthians passou a ser mais agudo a partir dos dez minutos, com lances em profundidade. As chances de gol, então, começaram a aparecer. Aos 12, Renato Augusto cruzou para a área, Jadson dividiu com o goleiro e a bola, após tocar no corintiano, ainda tocou na trave.

Dois minutos depois, saiu o gol. Edilson passou por Carlinhos e foi derrubado dentro da área. O juiz marcou pênalti e, na cobrança, Jadson colocou o Corinthians em vantagem.

O gol animou a torcida, mas não os jogadores. O Corinthians jogava com o freio de mão puxado. Renato Augusto e Elias erravam muitos passes no meio de campo. O time não conseguia encaixar boas triangulações, uma das principais marcas da equipe ao longo do campeonato.

De costas para o gol, Vagner Love tentava fazer o pivô, mas era facilmente parado pelos zagueiros. Nem mesmo a mudança de Malcom do lado esquerdo para a direita fez com que o ataque tivesse chances efetivas de gol.

Sem criatividade, o Corinthians era um time previsível. Somente aos 35 minutos é que a equipe conseguiu voltar a levar perigo ao Coritiba, com Elias, que, de frente para o gol, acabou chutando para fora.

O Corinthians foi para o intervalo aos gritos de “é campeão” da sua torcida, mas voltou sonolento para o segundo tempo. Já o Coritiba parecia estar ligado no 220 volts. O resultado não poderia ser outro: gol da equipe paranaense logo no primeiro minuto. Carlinhos cruzou da esquerda, a bola passou por toda a área e Negueba, nas costas de Guilherme Arana, só desviou para empatar.

O Corinthians ainda tentava se recompor do gol quando levou um susto aos seis minutos. Negueba cruzou pela esquerda, Cássio achou que a bola iria para fora, mas ela acabou explodindo na trave.

Como o empate não interessava nem para Corinthians nem para o Coritiba, os dois passaram a atacar mais. A partida ficou aberta com chances para ambos os lados.

Tite renovou o fôlego do ataque corintiano trocando Malcom por Lucca. Depois ainda tirou Vagner Love para a entrada de Danilo. A cartada final do treinador foi Rodriguinho, que substituiu Renato Augusto já aos 38 minutos.

Mas quem acabou salvando a equipe foi Lucca, que completou, aos 42 minutos, o cruzamento de Edílson.

FICHA TÉCNICA

CORINTHIANS 2 x 1 CORITIBA

CORINTHIANS - Cássio; Edílson, Felipe, Gil e Guilherme Arana; Ralf, Elias, Jadson e Renato Augusto (Rodriguinho); Malcom (Lucca) e Vágner Love (Danilo). Técnico: Tite.

CORITIBA - Wilson; Leandro Silva, Rafael Marques, Juninho e Carlinhos; João Paulo, Alan Santos (Cáceres) e Juan (Thiago Lopes); Negueba (Lúcio Flávio); Henrique Miranda e Kléber. Técnico: Pachequinho.

GOLS - Jadson, aos 15 minutos do primeiro tempo. Negueba, a 1, e Lucca, aos 43 minutos do segundo tempo.

ÁRBITRO - Dewson Freitas da Silva (PA).

CARTÕES AMARELOS - Carlinhos, Kléber, Leandro Silva, Rafael Marques.

RENDA - R$ 2.772.735,50. 

PÚBLICO - 43.688 pagantes.

LOCAL - Arena Corinthians.

Mais conteúdo sobre:
futebol Corinthians Brasileirão

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.