Ernesto Rodrigues/AE
Ernesto Rodrigues/AE

Torcidas se defendem de briga agendada via internet

Palmeirenses e são-paulinos entraram em confronto no clássico entre os dois time, pelo Campeonato Brasileiro

25 de maio de 2009 | 12h40

Paus, pedras, barras de ferro, 20 feridos e mais de 150 pessoas levadas para a delegacia. Mais uma vez, a briga de torcidas entrou no roteiro do clássico entre Palmeiras e São Paulo, pela 3ª rodada do Campeonato Brasileiro, disputado nesse domingo, 24. As principais torcidas se defendem de envolvimento na confusão, marcada pela internet. Os fóruns de seus sites foram bloqueados.

 

A Mancha Alviverde, principal torcida organizada do Palmeiras, se defende em nota oficial publicada em seu site, dizendo que são "vítimas de excessos e mentiras do policiamento de área sobre os fatos ocorridos". "Estávamos acordados com o Batalhão de Choque, no horário e local combinado com a mesma instituição, quando por abuso de autoridade do soldado Rocha, que começou a incitar e provocar os torcedores do Palmeiras", afirma a nota.

Do outro lado, a Independente, torcida organizada do São Paulo, não emitiu nenhuma nota em seu site oficial e mantém o canal para comentários "desativado por tempo indeterminado".

CONFUSÃO

Os torcedores agendaram confrontos por sites de relacionamentos na internet, segundo a Polícia Militar. Por volta das 13 horas de domingo, palmeirenses se encontraram nas imediações da estação Itaim Paulista da CPTM, na Zona Leste, para se dirigirem até o Estádio Palestra Itália, local do jogo. No caminho, encontrariam com os adversários, também dispostos a brigar. Com pequenas escoriações, policiais foram feridos na tentativa de evitar maior confronto.

Dentro do Palestra Itália, mais confusão. Outra torcida do Palmeiras, a Acadêmicos da Savóia, tentou entrar com instrumentos e faixas da Mancha Alviverde, banida dos estádios pelo Ministério Público. O promotor Paulo Castilho precisou intervir.

Como se não bastasse já tamanha confusão, depois do clássico torcedores palmeirenses também tentaram armar uma emboscada para os são-paulinos, que estavam em menor número. No fim, houve mais confronto com a Polícia, dessa vez, na rua Turiaçu. Sem danos ao patrimônio público, nenhum torcedor permaneceu preso.

O próximo clássico disputado na capital paulista será neste domingo, 31, entre Santos e Corinthians, também com um histórico de confusões, inclusive neste ano, ainda pela primeira fase do Campeonato Paulista.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.