Tottenham fracassa em tentativa de contratar Beckham

Seguro impede contratação do jogador, que viria por empréstimo junto ao Los Angeles Galaxy

AE, Agência Estado

09 de janeiro de 2011 | 13h14

O Tottenham anunciou neste domingo o fracasso na tentativa de contratar David Beckham por empréstimo junto ao Los Angeles Galaxy, por conta de questões ligadas ao seguro que precisaria ser feito. Porém, o meia vai treinar com o clube da primeira divisão inglesa por um mês.

O técnico Harry Redknapp tinha a expectativa de oficializar a contratação por empréstimo no fim de semana, depois que o Tottenham surgiu como o destino preferido de Beckham. Mas o técnico disse ao canal Sky Sports News, quando chegava ao Estádio White Hart Lane, neste domingo que estava "muito complicado com as questões de seguro".

O clube, em seguida, confirmou que Beckham só irá se juntar ao grupo para treinar até 10 de fevereiro. "Ele será uma grande influência e estou certo de que vamos nos beneficiar com a sua mentalidade vencedora", disse Redknapp em um comunicado oficial.

"Eu acho que todos irão gostar de tê-lo aqui. Nós adoraríamos tê-lo aqui por mais tempo, mas respeito os seus compromissos com o Los Angeles Galaxy. Eles queriam que voltasse no início de fevereiro, o que tornou difícil fazer um acordo para jogar por três semanas".

O Galaxy relutou em permitir que Beckham fosse para a Europa pela terceira vez consecutiva antes do início da liga norte-americana de futebol (MLS) por causa do temor de que ele poderia se machucar novamente. O ex-capitão da seleção da Inglaterra sofreu uma lesão no tendão de Aquiles em março de 2010, quando estava no Milan, e ficou afastado até setembro.

Em um comunicado, Beckham agradeceu o Galaxy por permitir que ele treine no Tottenham. "É importante que eu mantenha um elevado nível de condicionamento físico antes da MLS", disse. "Estou ansioso para chegar e trabalhar o mais rapidamente possível".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.