Reprodução Twitter Flamengo
Reprodução Twitter Flamengo

Relembre passo a passo a tragédia no Ninho do Urubu, CT do Flamengo

Incêndio no local, que servia de alojamento para os atletas das categorias de base do clube carioca, causou a morte de dez garotos e mais três ficaram feridos

Redação, O Estado de S.Paulo

15 de fevereiro de 2019 | 07h00

O que era para ser um dia tranquilo e de planejamento sobre o que fariam no final de semana se tornou em tragédia. Dez jovens morreram em um incêndio no CT do Flamengo, no Ninho do Urubu. Na sexta-feira passada, por volta das 5h30, a notícia começou a circular e rapidamente comoveu o mundo. 

O incêndio no alojamento das categorias de base do Flamengo, no Rio, colocou um prematuro ponto final em dez promissoras carreiras no futebol. Jovens de 14 a 16 anos de cinco Estados do Brasil moravam em contêineres, longe de suas famílias, mas ainda assim estavam realizados - jogavam em um grande clube do futebol brasileiro e sonhavam com o estrelato profissional. 

1º Incêndio no CT do Flamengo

Um incêndio no CT do Flamengo, em Vargem Grande, zona oeste do Rio, nas primeiras horas da manhã do dia 8 de fevereiro, causou a morte de dez pessoas e mais três ficaram feridas. Morreram: Arthur Vinícius, Bernardo Pisetta, Pablo Henrique, Vitor Isaías, Gedson Santos, Áthila Paixão, Christian Esmério, Rykelmo Viana, Jorge Eduardo dos Santos e Samuel Thomas. Ficaram feridos os  jovens Jhonata Cruz Ventura, Cauan Emanuel Gomes Nunes e Francisco Dyogo Bento Alves.

2º Futebol de luto

Poucas horas após o acidente, a Federação Carioca já anunciou o adiamento das duas semifinais da Taça Guanabara  que seria realizadas no final de semana. Flamengo x Fluminense passou de sábado para quinta-feira, enquanto Vasco x Resende passou de domingo para quarta-feira. 

3º Homenagens em todo o mundo

A confirmação da tragédia e do acidente deu início a uma série de homenagens de clubes e esportivas em todo o Brasil e no exterior. Nas redes sociais, a maioria dos principais clubes do País se manifestou, assim como jogadores e ex-jogadores do Flamengo, como Zico, Gabigol e Lucas Paquetá. No sábado, as homenagens durante as partidas dos estaduais continuaram. Técnicos de futebol também se solidarizam com o Flamengo e as famílias dos atletas, casos, por exemplo, de Abel Braga, Levir Culpi, Odair Hellmann e Renato Gaúcho. Até o rei Pelé também se manifestou, assim como o vice-presidente da República, Hamilton Mourão.

4º Adeus aos jovens talentos

No sábado, o zagueiro Arthur Vinícius foi a primeira vítima do incêndio no Ninho do Urubu a ser enterrada no sábado. O corpo do goleiro Christian Esmério, de 15 anos, um dos dez mortos no incêndio no CT do Flamengo, foi sepultado por volta do meio-dia de domingo sob forte comoção. O enterro levou pelo menos duas centenas de pessoas ao cemitério do Irajá, na zona norte do Rio. Antes de ser sepultado, a pedido do pai do jogador, foi cantado o hino do clube rubro-negro. Christian era uma das principais promessas do time e já havia tido passagem pela seleção brasileira de base. Um ônibus com amigos do jogador foi até o cemitério para que eles pudessem prestar as últimas homenagens. Boa parte dos presentes trajava camisas do clube. 

5º Investigação sobre a tragédia

Pouco depois da morte dos garotos, já deu início a uma intensa investigação por parte das mais variadas autoridades. A Secretaria da Fazenda diz que o Flamengo pagou 10 de 31 multas por irregularidades no Centro de Treinamento. Foi revelado também que o projeto original do CT determinava que o espaço onde ficava os contêineres que serviam como alojamento para os garotos, deveriam ter apenas um jardim e um estacionamento. Uma das vítimas do incêndio, contou à Polícia que havia "gambiarra" nos ar condicionado.  

6º Sobrevivente deixa o hospital

O jovem Cauan Emanuel, um dos três sobreviventes da tragédia, teve alta na terça-feira. Jhonatan, que teve 35% do corpo queimado, continua internado, mas apresentou melhora na saúde.

7º Justiça proíbe entrada de crianças no Ninho

A Justiça do Rio proibiu na quarta-feira a entrada, permanência e participação de crianças e adolescentes em atividades nas dependências do Ninho do Urubu, o Centro de Treinamento do Flamengo, que na sexta-feira passada foi palco de um incêndio que vitimou dez jogadores da base e deixou outros três feridos. A decisão tem caráter liminar e atendeu a ação civil pública ajuizada pelo Ministério Público (MP-RJ).

A determinação é do juiz Pedro Henrique Alves, da 1.ª Vara da Infância, da Juventude e do Idoso. O juiz estipulou a aplicação de uma multa de R$ 10 milhões ao Flamengo e de R$ 1 milhão ao presidente do clube, Rodolfo Landim, caso a decisão seja descumprida.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.