Tragédia no Irã: mais de 20 mortos

A cobertura da arquibancada de um estádio de futebol da cidade de Sari, na província iraniana de Mazandaran, desabou hoje matando mais de 20 pessoas e ferindo centenas de torcedores, segundo estimativas divulgadas pela agência de notícias Irna e por emissoras de rádio estatais. O desabamento ocorreu no início do segundo tempo de uma partida válida pela Copa do Irã entre a equipe local do Shamushak e o Piruzi, de Teerã, assistida por mais de 20 mil torcedores. Há a especulação de que o estádio estaria superlotado. O incidente causou um verdadeiro colapso na pequena cidade. As equipes de emergência foram insuficientes para atender a tantos feridos. Os hospitais da região tiveram muito trabalho e muitos feridos tiveram de ser transferidos para Teerã. Um porta-voz do Hospital Buali admitiu que na capital do país há mais condições do que em Mazandaran, uma cidade localizada na orla do Mar Cáspio. Os jogadores do Piruzi, uma das equipes mais populares do país, ficaram presos no vestiário durante muito tempo por causa da confusão, mas não há informações se algum atleta saiu ferido da tragédia. O vice-presidente do Irã, Mostafa Hashemi-Taba, ordenou à administração esportiva oficial que estabelecesse um gabinete especialmente para enfrentar o problema. Novos grupos de resgate e equipes médicas especializadas em ortopedia e traumatismo foram eviados para Sari. Com exceção do Estádio Olímpico de Azadi, em Teerã, o Irã não tem outra instalação esportiva com condições de segurança para abrigar eventos populares, como vêm se tornando os jogos com a participação do Piruzi. As tragédias em campos de futebol vem se repetindo este ano. Em Johannesburgo, na África do Sul, no dia 11 de abril, 43 pessoas morreram por causa da superlotação do Estádio Ellis Park. Na República Democrática do Congo, também em abril, um corre-corre dos torcedores causou a morte de 7 pessoas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.