Transmissão dos jogos da Copa do Mundo terá 'energia escocesa'

Contratada pela Fifa, empresa vai garantir energia para o aparato de TV nos 12 estádios e no IBC

Almir Leite, O Estado de S.Paulo

15 de maio de 2014 | 06h00

SÃO PAULO - No fim de abril a Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica) divulgou relatório dando conta de que as obras de fornecimento de energia em quatro cidades-sede da Copa registravam "atraso significativo". O Ministério de Minas e Energia reagiu, assegurando que não haverá "apagões" nos estádios. O temor existe. A transmissão das 64 partidas, porém, está garantida. A energia será fornecida por empresa contratada pela Fifa.

Por US$ 20 milhões (R$ 44,4 milhões), a entidade contratou a escocesa Aggreko. A empresa vai suprir, com geradores a diesel, as necessidades de energia para a transmissão de TV nas arenas das 12 cidades-sede e também no IBC, o Centro de Transmissão Internacional, instalado no Riocentro, no Rio. E vai abastecer também os painéis publicitários nos estádios.

A contratação dos serviços de fornecimento de energia para garantir a transmissão era responsabilidade das cidades-sede. A Fifa decidiu assumir os custos, e definir a prestadora do serviço, para evitar o risco de as cidades contratarem fornecedores diferentes, definidos por licitação. "É essencial que tenhamos um poder de transmissão confiável", afirmou Niclas Ericson, diretor de TV da Fifa, em dezembro, quando o acordo com os escoceses foi fechado.

A energia fornecida pelos escoceses vai assegurar o funcionamento de todo o aparato necessário para a transmissão – câmeras, microfones, antenas, mesas de edição, etc. "É o que chamamos de energia técnica", diz Thiago Moraes, diretor de marketing da Aggreko para a América Latina. "Numa Copa, perto de 3 milhões de pessoas assistem aos jogos nos estádios e cerca de 4 bilhões, no mundo, acompanham pela TV. Não pode ter falha na transmissão."

No total, a energia contratada é de 50 megawatts (equivalente ao abastecimento de 50 mil residências). Para a Arena Corinthians, Maracanã e Mineirão serão fornecidos 3 megawatts – para as outras serão 2 MW. Para o IBC vão 12 MW; o restante, para as placas eletrônicas de publicidade.

Será a sexta Copa da empresa – de 1990 para cá só não esteve na da Alemanha, em 2006. Também fez nove Olimpíadas, de inverno e de verão, entre outros eventos esportivos. Em 2012, forneceu a "energia temporária" para os Jogos de Londres.

A energia fornecida para as transmissões é independente da utilizada no restante do estádio e nas estruturas provisórias.

A Aggreko garante que na terça-feira começará os testes de energia em todas sedes, em conjunto com a HBS – empresa responsável pela produção, captação e compartilhamento do sinal dos jogos – e com a Fifa TV, responsável pela geração das imagens.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.