Transparência Internacional defende reformas na Fifa

A Transparência Internacional disse que a Fifa deveria ordenar investigações independentes sobre acusações de corrupção para superar "uma crise de confiança" no mundo do futebol. A agência anticorrupção global defendeu em um relatório que um painel independente, com a presença de torcedores, patrocinadores, clubes e membros da imprensa, deve supervisionar reformas generalizadas.

AE-AP, Agência Estado

16 de agosto de 2011 | 08h39

O presidente Joseph Blatter pediu para a Transparência Internacional propor reformas após as acusações de suborno na eleição presidencial e no processo de escolha das sedes das Copas do Mundo de 2018 e 2022, que mancharam a reputação da Fifa. O dirigente prometeu limpar a "família do futebol" ao ser reeleito, em junho, para um quarto mandato de quatro anos na associação.

O relatório da Transparência Internacional recomenda que a Fifa publique relatórios com os detalhes financeiros da associação, incluindo os bônus recebidos por executivos e os salários dos funcionários. Ela também aconselha a Fifa a permitir apenas uma reeleição, proteger os denunciantes, além de cobrar que os países realizem reformas no futebol antes de participar da Copa do Mundo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.