Diego Azubel/EFE
Diego Azubel/EFE

Treinador da Austrália admite inferioridade contra França e espera ter 'sorte'

Realista, Bert van Marwijk reconhece que equipe precisará superar maior qualidade do rival

Estadão Conteúdo

15 Junho 2018 | 12h18

O técnico Bert van Marwijk confessou nesta sexta-feira que a Austrália vai entrar em campo com pouca chance de vitória sobre a França, às 7 horas (de Brasília) deste sábado, em Kazan, na estreia das seleções na Copa do Mundo. Vice-campeão mundial em 2010 com a Holanda, o treinador confia, porém, que o trabalho dele e do elenco possam ter diminuído a diferença natural que há entre as equipes.

+ Seleção de Tite troca 'jeitinho brasileiro' por futebol científico

+ Após estreia da Rússia, Mário Fernandes relembra erros no Brasil: 'Bebia muito'

+ Mexicano de 34 anos vai apitar estreia do Brasil na Copa do Mundo

"Se jogarmos dez vezes contra a França, talvez nós perderíamos oito ou nove jogos. Trabalhamos duro para chegar em uma situação em que sofreríamos só cinco ou seis derrotas, com algumas vitórias nossas e empates. Também é preciso ter um pouco de sorte", disse o técnico holandês em coletiva de imprensa em Kazan.

Van Marwijk receita que a Austrália execute o plano de jogo combinado e acredite na vitória. "Quando você é bem organizado, crê em algo, cada um sabe qual papel cumprir, tem coragem e é você mesmo, então você tem uma chance", disse o treinador, que comandou a Arábia Saudita na bem-sucedida campanha que classificou o país para a Copa, mas se desligou da seleção saudita por divergências com dirigentes locais.

 

Apesar da estreia difícil, o holandês manifestou otimismo para a participação australiana no Grupo C do Mundial. "Trabalhamos muito duro neste novo sistema nosso e todos estão familiarizados já. Todo mundo sabe exatamente o que deve fazer e estamos prontos para a França. Viemos aqui com o objetivo de passar de fase", afirmou o técnico, no cargo desde janeiro.

A Austrália também vai enfrentar na primeira fase da Copa do Mundo as seleções da Dinamarca, às 9 horas (de Brasília) do dia 21, em Samara, e do Peru, às 11 horas (de Brasília) do dia 26, em Sochi.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.