Treinador de Trinidad diz que equipe ganhou experiência

O técnico de Trinidad e Tobago, o holandês Leo Beenhakker, disse nesta terça-feira que não está preocupado com os resultados obtidos pela equipe nas partidas de preparação ao Mundial. Ele espera que as derrotas diante de Eslovênia, República Checa e de uma equipe juvenil do País de Gales servirão de lições para seus jogadores, que reúnem pouca experiência contra grandes seleções européias."Esses jogos serviram para nos acostumarmos para o estilo de jogo que se pratica na Europa", afirmou Beenhakker, que passou a maior parte de sua carreira treinando clubes, dentre eles o Ajax e o Real Madrid. "A maneira de jogar na Europa é diferente da forma como nossos jogadores atuam. É um estilo muito mais rápido e mais físico. Temos que nos acostumar a isso".A seleção caribenha conquistou sua vaga na Alemanha superando pequenas seleções da região da Concacaf, como Panamá, Ilha de São Vicente e Granada - equipes bem inferiores a seus adversários de grupo B - Inglaterra, Paraguai e Suécia.A estrela da equipe é o atacante Dwight Yorke, de 34 anos, um dos poucos que possui larga experiência internacional de alto nível competitivo, já que jogou nas equipes inglesas do Aston Villa e Manchester United, com quem venceu a Liga Inglesa em 1999.Outro jogador experiente é o meio-campo Russell Latapy, que fez 40 partidas pelo Porto, tendo sido o primeiro atleta de Trinidad e Tobago a jogar uma Liga dos Campeões da Europa, em 1994. A maioria dos demais jogadores atua no futebol escocês, em divisões menores da Inglaterra e em clubes de seu país.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.