Treinador desmente executivo da Nike

Apesar de o gerente de comunicação da Nike, Ingo Ostrovisky, haver dito ontem, na CPI da CBF/Nike, que a empresa nunca teve contrato com técnicos de futebol, o ex-técnico da seleção brasileira, Wanderley Luxemburgo, disse há pouco em seu depoimento, que manteve contrato com a empresa durante os dois anos em que esteve à frente da seleção brasileira. Pelo contrato, disse que recebeu US$ 60 mil por ano para usar material, ministrar clínicas e palestras e pela exploração de imagem. O deputado Eurico Miranda (PPB-RJ) disse que a CPI precisa tomar providências, porque no seu entender Ingo Ostrovisky mentiu no depoimento de quarta-feira. "Primeiro quando disse que a Nike não tinha contratos com técnicos e depois quando afirmou que a empresa não participava de reuniões com a CBF".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.