Filippo Monteforte/AFP
Filippo Monteforte/AFP

Treinador do Irã critica VAR e diz que Cristiano Ronaldo deveria ter sido expulso

Carlos Queiroz fica na bronca com árbitro de vídeo após empate iraniano com Portugal

Estadão Conteúdo

25 Junho 2018 | 19h22

O técnico do Irã, Carlos Queiroz, saiu de campo satisfeito com o rendimento dos seus jogadores, apesar da eliminação na Copa do Mundo nesta segunda-feira. Mas não poupou críticas à arbitragem da partida e ao atacante Cristiano Ronaldo, da seleção portuguesa. As duas equipes empataram por 1 a 1, em Saransk, em resultado que classificou o time de Portugal.

+ Técnico de Portugal minimiza sufoco no fim e exalta vaga nas oitavas

+ Espanha só empata com Marrocos, mas avança na ponta do grupo e pegará a Rússia

"Cotovelada merece cartão vermelho, isso está nas regras", disse Queiroz, ao afirmar que craques como Cristiano Ronaldo não podem ser exceção à regra. O técnico se refere a uma falta do atacante na parte final do jogo. Numa disputa de bola, ele tomou a frente do rival e passou o cotovelo próximo ao rosto do iraniano. "Não sei se ele não foi expulso por ser uma estrela do futebol. Esta é uma boa pergunta."

O lance gerou polêmica e foi até analisado pelo árbitro de vídeo (VAR, na sigla em inglês). Mesmo assim, o juiz da partida anotou cartão amarelo para Cristiano Ronaldo. "As decisões devem ser claras para todo mundo, para as pessoas. O que não faz sentido é ver algo [no vídeo] e mostrar só um amarelo", disse Queiroz, ao atacar também o VAR.

"Todo mundo concorda que o VAR não está indo bem. Esta é a realidade. Há muitas reclamações. Há milhões de dólares investidos e cinco pessoas vendo os lances. É um sistema que custa uma fortuna e ninguém assume a responsabilidade [pela arbitragem]. O árbitro lava as mãos como Pilatos e os juízes lá de cima [no vídeo] não querem tomar as decisões pelo árbitro."

 

Para Queiroz, os treinadores também deveriam ter acesso aos replays dos lances analisados pelo VAR. "Meus jogadores merecem mais respeito, os iranianos merecem mais respeito e tem o direito de saber quem está apitando o jogo", declarou.

"Os erros humanos fazem parte do jogo, mas um erro humano é quando um homem sozinho tem que tomar as decisões dentro de campo, e não quando cinco ou seis pessoas tomam as decisões com a ajuda de um vídeo", completou.

Em relação ao desempenho do Irã, Queiroz fez elogios a sua equipe. "Foi um jogo muito disputado, minuto a minuto, duelo por duelo, jogando contra um dos melhores times do mundo. Acho que o Irã, sem dúvida, com sua disciplina e atitude, com o jeito que controlamos o jogo, é o vencedor desta partida, se houvesse alguma justiça no futebol."

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.