Treinador do Shakhtar Donetsk admira o futebol brasileiro desde 1970

O romeno Mircea Lucescu começou sua admiração pelo Brasil na Copa do Mundo de 70

MATEUS ALVES SILVA, O Estado de S. Paulo

10 de fevereiro de 2013 | 11h47

A ideia de encher um time do interior da Ucrânia de brasileiros parece bizarra, mas se tornou realidade graças a um admirador do futebol pentacampeão do mundo: o romeno Mircea Lucescu. É por causa do técnico que o Shakhtar Donetsk tem tantos brasileiros e é por causa dele que esses jogadores conseguem se adaptar a um futebol tão diferente do que é praticado aqui.

Certamente, a admiração de Lucescu pelo futebol do Brasil teve início na Copa do Mundo de 1970, quando ele teve o privilégio de jogar contra a equipe de Pelé e companhia. O atacante Lucescu era o capitão da seleção romena que perdeu para o Brasil por 3 a 2 na fase de grupos do Mundial do México.

Após anos de sucesso como treinador no futebol da Romênia, Lucescu dirigiu vários times da Itália, entre eles a Internazionale. O romeno também passou com êxito pela Turquia, onde dirigiu Galatasaray e Besiktas, seu último clube antes de chegar ao Shakhtar, em 2004.

Treinador que se dedica obsessivamente ao trabalho, Lucescu é um homem culto, que fala seis idiomas. O fato de o português estar entre eles (embora ele jamais tenha trabalhado em Portugal) certamente ajuda na comunicação com os brasileiros.

“Ele gosta dos brasileiros, mas exige que eles mudem suas características”, contou Jadson, que trabalhou com Lucescu por sete anos no Shakhtar. “Ele pede para os brasileiros se dedicarem mais à marcação. Mas, quando você se adapta ao sistema dele, ele te dá muito moral. Tudo o que aprendi lá eu devo a ele.”

Elano, que conviveu com Lucescu por dois anos e meio, também tem boas lembranças do técnico. “Ele fala português, e isso ajuda. É um cara que acompanha o futebol do mundo todo, conhece muitos jogadores.”

Notícias relacionadas

    Encontrou algum erro? Entre em contato

    Tendências:

    O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.