Giampiero Sposito/Reuters
Giampiero Sposito/Reuters

Treino da seleção italiana tem insulto racista a Balotelli

Atacante do Milan preferiu ignorar ofensas de torcedores em primeiro momento

O Estado de S. Paulo

21 de maio de 2014 | 09h20

SÃO PAULO - Preparando-se para jogar a Copa do Mundo pela seleção italiana, o atacante Mario Balotelli sofreu acusações racistas nesta quarta-feira, enquanto treinava com o restante dos outros jogadores da seleção no centro de treinamento de Coverciano, localizado na cidade de Florença, na Itália.

O atacante do Milan, que já foi alvo de atos racistas em outras ocasiões, trabalhava com o resto da delegação quando alguns torcedores que estavam no local ofenderam o jogador negro fazendo alusão à sua cor. Inicialmente, Balotelli, de 23 anos, não reagiu, mas aos jornalistas o atacante disse que atos racistas "só acontecem em Roma e em Florença".

"É um comportamento inaceitável de pessoas que não deveriam estar lá, mas que infelizmente temos de levar em consideração. O importante é que veio de poucas pessoas, uma minoria mesmo. O gesto deles demonstra o baixo nível de qualidade cultural", comentou Giancarlo Abete, presidente da federação italiana, pouco depois de saber do espisódio com o atacante da Azurra.

Os jogadores pré-convocados pelo técnico Cesare Prandelli se reuníram nesta semana em Coverciano para iniciar a preparação para a Copa do Mundo. Antes de viajar para o Brasil, onde a equipe ficará hospedada na cidade de Saquarema, no Rio de Janeiro, a seleção europeia vai fazer um amistoso contra a Irlanda, dia 31 de maio, e outro diante dea Luxemburgo, marcado para o dia 4 de junho.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.