Heuler Andrey/Mowa Press<br>
Heuler Andrey/Mowa Press

Treino da seleção no Ninho do Pássaro custa R$ 200 e tem invasão

Equipe faz última atividade antes do duelo com a Argentina já no palco do jogo e cambistas trabalham livremente ao redor do estádio

Raphael Ramos - Enviado especial a Pequim, O Estado de S. Paulo

10 de outubro de 2014 | 07h35

Cerca de 200 torcedores chineses pagaram o equivalente a R$ 200 para acompanhar o treino da seleção brasileira nesta sexta-feira no Ninho do Pássaro, em Pequim. Antes de a atividade começar, cambistas vendiam ingressos na porta do estádio sem serem incomodados pela polícia. Com a segurança falha, a reportagem do Estado também viu alguns torcedores pulando as grades para entrar no Ninho do Pássaro.

Kaká foi o jogador mais assediado pela torcida chinesa. A cada toque na bola, ouvia-se muitos gritos na arquibancada, sobretudo da plateia feminina. Neymar e David Luiz também foram ovacionados pelos torcedores.

O treino desta sexta-feira foi o último da seleção antes do Superclássico das Américas contra o Argentina, que será disputado neste sábado, às 9h05 (horário de Brasília). Dunga usou a atividade principalmente para ensaiar jogadas de bola parada. Além de escanteios, foram cobradas faltas laterais e frontais. Na vitória sobre o Equador, mês passado, o gol da vitória por 1 a 0 saiu justamente desse tipo de jogada.

O treinador confirmou o time titular com Jefferson; Danilo, Miranda, David Luiz e Filipe Luís; Luiz Gustavo, Elias, Oscar e Willian; Neymar e Diego Tardelli.

Depois do treino de bola parada, os atletas disputaram um descontraído rachão. Neymar, Willian, Luiz Gustavo, David Luiz, Robinho e Oscar ainda treinaram cobranças de pênalti. Se o Superclássico terminar empatado, a decisão de quem ficará com a taça será nos pênaltis.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.