Treino de ataque marca despedida da seleção em Königstein

A movimentação rápida do ataque, com tabelas para evitar a forte marcação da Austrália, adversária de domingo, foi a prioridade do técnico Carlos Alberto Parreira no último treino da seleção brasileira em Königstein, realizado na tarde desta sexta-feira, no SportPark.Parreira dividiu o trabalho tático em duas partes, sempre com o objetivo de preparar o ataque para escapar do contato com os australianos, mais fortes fisicamente. Na primeira parte, o time titular completo, à exceção dos zagueiros Lúcio e Juan e do goleiro Dida, treinou saídas rápidas em contra-ataque, em que o objetivo era acionar o mais rápido possível os membros do quarteto - Kaká, Ronaldinho Gaúcho, Ronaldo e Adriano. Na subida ao ataque de um dos laterais (Cafu ou Roberto Carlos), um dos meias caía para a ponta para fazer a cobertura - Kaká pela direita ou Ronaldinho pela esquerda. Depois, Parreira mudou o trabalho tático e passou a treinar a movimentação de todo o time do meio para frente, bem marcado pelos reservas. Durante todo o treino, o treinador cobrou bastante os jogadores. "Encosta pra ajudar o companheiro" e "Tem que ter três na jogada" foram alguns de seus gritos.Os jogadores ainda treinaram posicionamento na área de ataque em cobranças de falta e escanteio, que eram feitas sempre por Ronaldinho Gaúcho, com Kaká, Adriano, Emerson, Juan e Lúcio tentando a cabeçada. Ronaldo ficou de fora desse trabalho, treinando finalizações com os demais jogadores.No final, Ronaldinho Gaúcho, Adriano e Kaká ainda treinaram cobranças de pênaltis no goleiro Dida. Dos três, Ronaldinho Gaúcho teve o pior aproveitamento, apesar de ser o cobrador oficial da seleção.O último treino antes do jogo contra a Austrália será feito neste sábado, às 18h15 (13h15 em Brasília), já em Munique, na Allianz Arena, local da partida, que será disputada às 18 horas locais (13 horas em Brasília). A delegação deixa Königstein ainda nesta sexta-feira. E depois da partida, vai no domingo mesmo para Lerbach, perto de Colônia, onde será a sua nova concentração.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.