Cesar Greco/Ag. Palmeiras
Cesar Greco/Ag. Palmeiras

Treino nas férias, oração e discrição ajudam Jailson no Palmeiras

Goleiro supera concorrentes e evita euforia por boa fase na temporada ao evitar elogios e entrevistas

Ciro Campos, O Estado de S. Paulo

27 Janeiro 2018 | 07h00

O goleiro Jailson não sabe o segredo de chegar aos 24 jogos de invencibilidade como titular do Palmeiras. Porém, o jogador tem a noção exata das atividades feitas que lhe ajudaram a chegar a essa marca e, acima de tudo, conquistar a vaga no time. Treino na folga, uma oração no ano novo e a manutenção da postura discreta foram fundamentais.

+ Antônio Carlos celebra sequência no Palmeiras

+ Palmeiras fecha acordo por Zé Rafael

Aos 36 anos, o jogador é tímido e não gosta de entrevistas. Para falar com ele, só depois dos jogos. Os convites para participar de programas de televisão chegam aos montes e são recusados. Jailson não concede coletiva na Academia de Futebol há mais de um ano e prefere se manter longe das câmeras e microfones por se sentir desconfortável. O gosto dele é pelo trabalho silencioso.

Inclusive foi no quieto e tranquilo período de férias em que ele começou a se solidificar como titular em 2018. Jailson descansou por 15 dias depois do fim do Campeonato Brasileiro e nos outros 15, procurou treinar. "Eu trabalhei bastante nas férias. Hoje em dia, a gente não fica parado. Hoje em dia, não dá mais para voltar gordo, não tem essa. Fico feliz pelo Roger ter me escolhido e a gente sabe que só pode jogar um goleiro", disse.

Também nas férias Jailson fez uma oração, no ano novo. Ele pediu para ganhar chance como titular, mesmo com a disputa com fortes adversários como Fernando Prass e Weverton. O técnico Roger Machado escolheu Jailson, o menos badalado de todos, e tem se mostrado satisfeito com as atuações do goleiro, que abriu mão da camisa 14 e passou a usar a 42.

O tímido Jailson continua fã do silêncio e da tranquilidade mesmo quando está com a temporada em andamento. Na folga, gosta de pescar, apesar de não comer peixe. Se a programação é se manter na cidade, a escolha é por jogar video game ou ver as partidas da mulher, Mônica, que é atleta de handebol do Pinheiros.

Mais conteúdo sobre:
futebol Palmeiras Jailson

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.