Maurícia da Matta/EC Vitória
Maurícia da Matta/EC Vitória

Tréllez comenta agressão de Rodrigo e admite: 'Pensei em bater nele'

Vitória virou o jogo diante da Ponte Preta após expulsão do zagueiro

Estadão Conteúdo

28 Novembro 2017 | 17h30

O colombiano Santiago Tréllez falou nesta terça-feira pela primeira vez sobre a polêmica agressão de Rodrigo no confronto entre Ponte Preta e Vitória, no último domingo. O atacante do time baiano condenou a atitude do rival, admitiu que precisou se controlar para não revidar, mas celebrou o importante triunfo.

+ Mauro Cezar Pereira: Humilhação e rebaixamento

+ STJD pede interdição do estádio Moisés Lucarelli

"Neste tipo de jogo tão importante, sempre vai ter coisa que o adversário vai usar para desestabilizar. Mas fiquei tranquilo, sabia que não podia me descontrolar, porque o normal era bater nele. Não posso mentir, passou pela minha cabeça fazer isso, mas tinha que me controlar pelo bem do grupo. E acho que todos juntos pudemos ganhar um jogo muito importante", declarou.

A Ponte Preta vencia o Vitória por 2 a 0 no domingo, em casa. O resultado tirava a equipe da zona de rebaixamento e praticamente selava a queda do rival baiano. Mas em uma tentativa de provocar Tréllez, Rodrigo botou tudo a perder ao ser expulso ainda no primeiro tempo.

Na etapa final, com um homem a mais, o Vitória buscou a virada, com direito a dois gols de Tréllez. O resultado selou o rebaixamento da Ponte Preta e deixou o time baiano dependendo apenas de seu resultado na última rodada, contra o Flamengo, em casa, para garantir a permanência.

Rodrigo foi condenado até por seus companheiros pela atitude. O presidente da Ponte Preta, Vanderlei Pereira, chamou de "infantil" a agressão do jogador. E Tréllez segue sem entender o motivo que levou o zagueiro a fazer aquilo.

"Na verdade, não sei por que ele tomou aquela atitude. A gente não vinha falando nada durante o jogo. Mas, por sorte, isso ajudou a gente. Jogar com um a mais em um jogo tão importante foi bom. Então, estou contente pela atitude do time no segundo tempo e porque conseguimos virar", disse o colombiano.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.