Divulgação/Chapecoense
Divulgação/Chapecoense

Tribunal adverte goleiro da Chapecoense por doping e o libera para jogar

João Ricardo teve constatada a presença de uma substância proibida na amostra de urina em 6 de março de 2019

Redação, Estadão Conteúdo

26 de junho de 2020 | 15h43

O pleno do Tribunal de Justiça Desportiva Antidopagem aplicou apenas uma advertência ao goleiro João Ricardo, da Chapecoense, por doping. Ele teve constatada a presença de uma substância proibida na amostra de urina coletada após partida diante do Mixto-MT, pela Copa do Brasil, em 6 de março de 2019. O goleiro comemorou o resultado do julgamento.

"Acho que foi um dos dias mais felizes da minha vida, a gente conseguiu comprovar a inocência, foi o ano inteiro correndo atrás de todas as provas, buscando tudo para que nesse julgamento nada desse errado.Graças a Deus, ele é tão bom que conseguiu fazer com que a gente buscasse tudo. Eu pedia muito em minhas orações para que só a verdade viesse a atuar, nada mais que isso e ela veio", disse o goleiro.

"Estou muito feliz, minha família toda está feliz, agradeço a todos que acreditaram e que sempre estavam na torcida para que tudo isso se esclarecesse o mais rápido possível para que eu pudesse voltar a jogar logo. Estou muito feliz, motivado, acho que saiu um grande peso nas costas, não posso dizer que atrapalhava, mas tinha esse peso, carregava junto. Espero que daqui pra frente seja só alegrias e seja um grande ano, apesar de já estar na metade do ano, que a gente consiga fazer um grande ano", acrescentou.

Após testar positivo no exame antidoping, João Ricardo foi suspenso preventivamente e acabou tendo a punição revogada pela CBF no meio do ano passado. Não cabe mais recurso por parte da Procuradoria.

João Ricardo, de 31 anos, fez 37 jogos com a camisa da Chapecoense. Ele ainda passou por América Mineiro, Paraná, Icasa, Paysandu, Veranópolis, Brusque, dentre outros.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.