Reprodução
Reprodução

Tribunal de Madri proíbe Fifa e Uefa de punirem clubes e jogadores da Superliga

Medidas cautelares foram adotadas após entidades ameaçarem equipes que lançaram o novo torneio

Redação, Estadão Conteúdo

20 de abril de 2021 | 15h45

Os clubes fundadores da Superliga receberam a informação, nesta terça-feira, que um tribunal de Madri adotou medidas cautelares no sentido de proteger a competição, proibindo a Fifa e a Uefa de qualquer atitude que possa proibir, restringir, limitar ou condicionar a realização do novo torneio, bem como a participação de clubes e jogadores.

A Uefa ameaçou excluir das suas competições (e também dos campeonatos nacionais) os clubes que participarem da Superliga e impedir ainda que os seus jogadores representassem as respectivas seleções nacionais, após o anúncio feito pelos 12 clubes dissidentes (Arsenal, Chelsea, Tottenham, Liverpool, Manchester City, Manchester United, Real Madrid, Barcelona, Atlético de Madrid, Juventus, Milan e Inter de Milão).

O documento determina que a Fifa e a Uefa "se abstenham de adotar qualquer medida ou ação e de emitir qualquer declaração que impeça direta ou indiretamente, a preparação da Superliga Europeia de Futebol". Da mesma forma, o despacho proíbe "quaisquer medidas disciplinares ou punitivas" contra "os clubes, dirigentes e jogadores que participarem na preparação da competição".

O lucrativo projeto da Superliga, defendido inclusive pelo presidente do Real Madrid, Florentino Pérez, como forma de melhorar e proteger os atrativos direitos de televisão, consiste em uma competição de 20 clubes, dos quais 15 seriam permanentes.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.