Tribunal do Rio condena Luxemburgo

O técnico do Palmeiras, Vanderlei Luxemburgo, foi condenado pelo Tribunal de Justiça do Rio a pagar R$ 120.321,72 de cotas de condomínios atrasadas, acrescentados de honorários advocatícios e 10% de multa sobre o valor da dívida, ao prédio Barramares, na Avenida Sernambetiba, 3.300, na orla da Barra da Tijuca, zona oeste, onde possui um luxuoso apartamento. Se não pagar a dívida, o apartamento será leiloado. Luxemburgo, entre os anos de 1994 e 1999, comprou três apartamentos na Avenida Sernambetiba. O valor de um imóvel no local varia de R$ 300 mil a R$ 600 mil. Um dos apartamentos adquiridos já estava com o condomínio atrasado e o ex-proprietário vinha sendo processado pelo Barramares, desde julho de 1994. Segundo o advogado de Luxemburgo, Michel Assef, o treinador possui uma declaração de quitação da dívida e, por isso, não aceita pagar mais nada. A condenação do técnico foi confirmada pela desembargadora da 8.ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça, Letícia Sardas, em 2.ª instância, no dia 23 de outubro do ano passado. Segundo Assef, o Barramares alegou que a funcionária que assinou a declaração não possuía autoridade para liberar o documento. O argumento do condomínio foi aceito pela Justiça. "Sei que quando compramos um imóvel herdamos todas as suas dívidas. Mas o Vanderlei tem esta declaração e nós entendemos que ela tem valor legal", disse o advogado. Assef explicou que Luxemburgo já recorreu da decisão ao Superior Tribunal de Justiça. De acordo com o advogado, apesar do processo, o treinador está pagando regularmente as cotas desde que adquiriu o imóvel. Se o apartamento for leiloado, esta não será uma nova experiência para Luxemburgo. Em 1982, ele comprou parceladamente um imóvel hipotecado, em Brás de Pina, zona norte, que foi a leilão por falta de pagamentos. Na ocasião, a Caixa Econômica Federal (CEF), ficou com o imóvel. Negócios - Luxemburgo sempre teve o hábito de se aventurar pelo mercado imobiliário. Entre 1982 e 1999, o treinador realizou 17 transações imobiliárias, entre compra e venda de terrenos, lojas e apartamentos. Antes de se tornar treinador, Luxemburgo, na década de 80, comprava imóveis de baixo custo no subúrbio do Rio e depois os revendia. Em 1986, o técnico chegou a adquirir cinco apartamentos em um prédio no bairro Jardim América, na zona norte e, nos dois anos seguintes, os revendeu. A carreira de técnico deu um novo status a Luxemburgo, que, na década de 90, passou a comprar apartamentos na Barra da Tijuca, onde a maioria dos jogadores de futebol possui imóveis. Além dos três apartamentos na Avenida Sernambetiba, ele obteve uma promessa de compra de um imóvel em São Conrado, na zona sul. Três anos depois, vendeu o apartamento. Desta vez, o treinador intermediou a transação para a empresa Balridge Propertils Limited, com sede nas Bahamas, conhecido paraíso fiscal.

Agencia Estado,

09 de janeiro de 2002 | 20h02

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.