Tribunal independente dá razão ao Sheffield no caso Tévez-MSI

Rebaixado no Inglês, clube pedia uma compensação ao West Ham por irregularidades no contrato do argentino

EFE,

23 de setembro de 2008 | 12h15

Uma comissão de arbitragem independente da Federação Inglesa de Futebol (FA) decidiu nesta terça-feira, a favor do Sheffield United. O Sheffield pedia uma compensação ao West Ham pelo caso de irregularidades envolvendo o contrato do atacante argentino Carlos Tévez, confirmou o clube requerente.  Dê seu palpite no Bolão Vip do Limão O Sheffield foi rebaixado ao final da temporada 2006/2007, quando o West Ham - rival pela permanência na primeira divisão, e que contava com o ex-Corinthians Tévez como seu principal jogador - venceu o Manchester United na última rodada para se salvar da queda. No entanto, a equipe londrina teve sérios problemas com a Premier League (entidade que organiza o campeonato da primeira divisão), quando foi divulgado que os direitos federativos de Tévez e do volante argentino Javier Mascherano eram pertencentes a uma terceira pessoa, no caso a empresa Media Sports Investment (MSI). A Premier League multou então o West Ham em 5,5 milhões de libras por ter escalado Tévez e o também ex-corintiano Mascherano, quando ambos ainda apresentavam irregularidades em seus contratos. Inicialmente, o Sheffield exigia de volta a vaga na primeira divisão e alegou que a quantia da multa ao West Ham era insuficiente. Em comunicado publicado em seu site, o Sheffield United fala em "êxito" no caso Tévez, mas não especifica a quantia que teria recebido do West Ham. Os jornais britânicos afirmam que o Sheffield poderia receber uma quantia de cerca de 30 milhões de libras, enquanto o presidente da entidade, Kevin McCabe, chegou a dizer que, com o rebaixamento, o clube deixou de lucrar pelo menos 50 milhões de libras. "Posso confirmar que os clubes foram notificados do veredicto. O tribunal decidiu a nosso favor. O assunto continua legalmente em processo, sobre o qual não quero comentar mais nada até que este tenha sido completado", disse McCabe.  

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.