Tricolor joga contra tabu na Argentina

A partida de quarta-feira à noite, contra o Quilmes, pela Libertadores da América, não é a única preocupação do São Paulo. Por trás de toda a rivalidade envolvendo brasileiros e argentinos está um tabu: o time do Morumbi nunca venceu um jogo contra equipes argentinas, longe de casa. Pior. Nem sequer marcou um golzinho. Em compensação, jogando no Morumbi, o São Paulo sempre venceu os ?hermanos? . Por tudo isso, a hegemonia da equipe do técnico Emerson Leão será colocada a prova.?O São Paulo está passando por um ótimo momento. É líder do Paulistão e do grupo da Libertadores. Motivação é o que não falta. E o São Paulo sempre gostou de disputar Libertadores. Espero poder acabar com tudo isso (tabu)?, avisa Diego Tardelli.Em 14 partidas no ano ? 12 pelo Campeonato Paulista e duas pela competição sul-americana ?, o São Paulo soma 11 vitórias e somente três empates. Uma invencibilidade que o técnico Leão pretende manter por muito tempo. O restrospecto contra argentinos, porém, é preocupante. Além da escassez de vitórias e de gols, o saldo é de menos 10. Mas se depender da vontade do grupo, a história vai mudar.?Tabu existe para ser quebrado. Do mesmo modo que nunca vencemos lá, eles também nunca bateram o São Paulo aqui no Morumbi. Ninguém tem de temer nada. Se os argentinos sabem catimbar, os brasileiros tem de mostrar a malandragem para fugir das provocações. Temos de entrar espertos para não perdermos nenhum jogador por causa disso?, ressalta Renan.Diego Tardelli, um dos artilheiros do Campeonato Paulista (10 gols), fará sua estréia como titular em jogos da Libertadores. Em 2004, ele era reserva da dupla Luís Fabiano e Grafite e pouco pode fazer. Esse ano, um edema na coxa direita o deixou de fora dos dois primeiros jogos ? contra The Strongest e Universidad de Chile. Agora, Diego Tardelli está pronto e quer aproveitar a confiança de Leão para se firmar de vez na equipe.?Claro que o objetivo de todo atacante é sempre estar marcando e brigando pela artilharia. Já sou um dos artilheiros do Paulista e vou lutar para fazer o mesmo na Libertadores. Se eu não marcar, prometo que, pelo menos, voltaremos de lá com a vitória?, garante o companheiro de Grafite, esbanjando otimismo.?Eu e o Grafite estamos vivendo grande fase. Lógico que entramos em campo pensando primeiro na vitória, mas não dá para esconder a vontade de sempre estar anotando os gols. Vamos fazer de tudo para quebrar esse tabu na Argentina e, se possível, retornar com a vitória?, complementa Tardelli.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.