Trio de arbitragem brasileiro estréia na Copa do Mundo

Segunda-feira também é dia de estréia brasileira na Copa. O gaúcho Carlos Eugênio Símon foi o escolhido pela Fifa para apitar o jogo entre Itália e Gana e será auxiliado por Ednílson Corona e Aristeu Tavares - é a primeira vez na história que uma partida válida pelo Mundial terá um trio brasileiro. A escalação de Símon provocou calafrios entre os italianos, que têm uma derrota e um empate em jogos dirigidos por ele. Na Copa passada, em que a Itália caiu nas oitavas-de-final diante da Coréia do Sul, Símon trabalhou na última partida da Azzurra na primeira fase, contra o México. O jogo terminou 1 a 1, resultado que classificou as duas equipes, mas a delegação italiana reclamou muito de dois gols erradamente anulados - um de Montella e outro de Inzaghi, ambos em posição regular de acordo com as imagens da TV - e da distribuição de cinco cartões amarelos aos seus jogadores. A primeira vez que o árbitro brasileiro cruzou o caminho da seleção italiana foi na Olimpíada de Sydney, em 2000. A Itália perdeu por 1 a 0 para a Espanha e foi eliminada. Símon e seus auxiliares sobreviveram ao rigoroso teste físico feito pela Fifa, mas tecnicamente o árbitro gaúcho não vem muito bem - no jogo entre River Plate e Libertad pela Libertadores, em Buenos Aires, cometeu o erro absurdo de marcar impedimento numa cobrança de lateral e validou um gol em impedimento da equipe argentina.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.