Trio-de-ferro vai ferver a Libertadores

Pela primeira vez na história, os principais times do futebol paulista estarão juntos na Copa Libertadores. São Paulo (atual campeão), Corinthians (campeão brasileiro) e Palmeiras (4.º do Nacional) podem ser apontados como alguns dos favoritos para vencer o maior torneio das Américas em 2006. A exemplo deste ano, o time do Palestra Itália ainda terá de passar pela fase qualificatória ? enfrentará o Deportivo Táchira, da Venezuela ? para chegar à fase de grupos, na qual os outros rivais já estão garantidos. Os clássicos paulistas na Libertadores, no entanto, não são novidade. Quem tem a melhor marca é o São Paulo, que jamais perdeu para o Palmeiras no torneio ? 6 jogos, 5 vitórias e 1 empate. Em 1974, o time do Morumbi, que seria o vice-campeão, ganhou os dois jogos, por 2 a 0 e 2 a 1, na primeira fase. Em 1994, nas oitavas-de-final, depois de empate por 0 a 0, o São Paulo ? que terminou como vice ? eliminou o rival com triunfo por 2 a 1. As equipes voltaram a se enfrentar este ano, pelas oitavas-de-final: o São Paulo ganhou por 1 a 0 e 2 a 0 e seguiu rumo ao título. Mas os duelos mais marcantes ocorreram entre Palmeiras e Corinthians, em 1999 e 2000. No total, as equipes se enfrentaram seis vezes, com três vitórias para cada um. Curiosamente, em ambas ocasiões o Palmeiras eliminou o maior adversário da competição, nos pênaltis. Em 1999, depois de terem se enfrentado na primeira fase, os times se pegaram nas quartas-de-final. Os palmeirenses largaram com vitória por 2 a 0, mas sofreram derrota pelo mesmo placar na volta. Nos pênaltis, o time do Palestra Itália levou a melhor por 4 a 2 e partiu para a conquista do título inédito. No ano 2000, os clássicos ocorreram pelas semifinais. No primeiro duelo, vitória do Corinthians por 4 a 3. Os palmeirenses devolveram o resultado ? 3 a 2 ? no jogo de volta, e venceram nos pênaltis (5 a 4), após Marcos pegar pênalti de Marcelinho.

Agencia Estado,

05 de dezembro de 2005 | 18h52

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.