Triste, França continua no São Paulo

Bastante triste, o atacante França pode continuar defendendo as cores do São Paulo em 2002. Não por vontade própria e sim pela falta de acordo com clubes europeus, especificamente o Bayer Leverkusen, da Alemanha. ?Não estou incomodado, mas desconfiado. É duro ver as coisas acontecerem com os outros e com você não?, alegou o jogador. ?Estou no clube há seis anos. Está mais do que na hora de procurar minha independência financeira.? O que mais chateia o artilheiro são os boatos. ?Não gosto destas especulações. Espero definir tudo até janeiro.? Apesar da mágoa, França tem motivação para continuar no Morumbi. ?Não posso me frustrar em permanecer. Se isto se confirmar, vai ser bom pois posso me tornar o maior artilheiro do São Paulo,? disse o atacante, que ao longo destes 6 anos, balançou as redes em 159 oportunidades. Serginho, com 242 gols, é o principal goleador do Morumbi. Quem garantiu a continuidade no Tricolor foi o meia Adriano, destaque do time no Campeonato Brasileiro. Depois de quase um mês de negociação, o irmão e empresário de Adriano, Juliano Gerlin, chegou a um acordo, nesta quinta-feira à tarde, e o meia renovou por um ano. O zagueiro Emerson também deve renovar. Nesta quinta-feira, em reunião com o novo presidente da Portuguesa, Joaquim Alves Heleno ? que assume dia 2 de janeiro ?, o jogador demonstrou não querer retornar ao Canindé. O dirigente aceitou e o autorizou a negociar com o São Paulo, desde que o clube do Morumbi conceda um atleta à Lusa.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.