Troféu leiloado por Ghiggia ficará no Uruguai

Herói do 'Maracanazo' vende por R$ 42 mil taça recebida durante homenagem da Fifa

Efe,

24 de julho de 2008 | 18h00

A taça de ouro leiloada pelo ex-jogador uruguaio Alcides Ghiggia pelo gol marcado contra o Brasil na final da Copa de 1950, no episódio conhecido como "Maracanazo", foi adquirida pelo Banco da República Oriental do Uruguai. Ghiggia, de 81 anos, recebeu a taça Golden Foot (chuteira de ouro) em 2006, numa cerimônia no principado de Mônaco. O prêmio foi uma homenagem ao gol da vitória de 2 a 1 do Uruguai sobre a seleção brasileira em 1950, em pleno Maracanã. A estatal fez uma oferta de 511.000 pesos (R$ 42 mil), superando o lance mínimo de 510.000 pesos apontado por Ghiggia como condição para o leilão. "O troféu ficará no Uruguai como deve ser, porque é um prêmio concedido a uma glória do futebol de nosso país", destacou o representante do banco. Depois da conclusão dos trâmites administrativos, o troféu será entregue ao Museu do Futebol Uruguaio, localizado abaixo de uma das arquibancadas do Estádio Centenário. O ex-jogador, entretanto, afirmou que não está com problemas financeiros. O motivo da venda seria "o perigo de manter em casa algo tão valioso". "Além disso, minha família já está discutindo para ver quem vai ficar com o que. Além disso, minha mulher é muito jovem (35 anos) e tenho filhos também. Tenho que pensar em deixar-lhes algo", disse o uruguaio. Ghiggia disse que utilizará o dinheiro do leilão para construir uma casa na cidade de Las Piedras, cidade onde mora - a 20 quilômetros de Montevidéu. O ex-jogador segue em sintonia com o desenvolvimento do futebol do país, pois sempre é convidado a acompanhar a seleção nas partidas das Eliminatórias Sul-Americanas à Copa do Mundo de 2010.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.