Nilton Fukuda/Estadão
Nilton Fukuda/Estadão

TRT-RJ nega mandado de segurança de Scarpa e meia não pode voltar ao Palmeiras

Jogador está fora do clube paulista, pelo qual foi contratado em janeiro, desde 15 de março, quando a Justiça derrubou a liminar que o liberava de seu contrato com o time carioca

Estadão Conteúdo

07 Junho 2018 | 16h19

Não foi desta vez que Gustavo Scarpa conseguiu a liberação para voltar ao Palmeiras. Nesta quinta-feira, o Tribunal Regional do Trabalho do Rio de Janeiro (TRT-RJ), negou, por oito votos a três, o mandado de segurança impetrado pelos advogados do meia para que ele pudesse atuar por outro clube antes do final do processo.

+ Confira a tabela do Campeonato Brasileiro

Com o parecer em segunda instância, o jogador continua vinculado ao Fluminense e segue sem poder voltar a atuar pelo Palmeiras. Ele está fora do clube paulista, pelo qual foi contratado em janeiro, desde 15 de março, quando a Justiça derrubou a liminar que o liberava de seu contrato com o time carioca e fez com que o mesmo voltasse a valer. A sua última partida foi em 11 de março, quando marcou dois gols na vitória do Palmeiras por 3 a 0 sobre o Ituano, em Itu (SP), em duelo da primeira fase do Campeonato Paulista.

A decisão judicial não é definitiva, já que o atleta ainda espera o parecer da juíza Dalva Macedo, da 70.ª Vara do TRT-RJ. A audiência, em primeira instância, ainda não tem data para acontecer e o processo corre em segredo de Justiça. Além disso, os advogados do jogador estudam tirar o processo do Rio de Janeiro e recorrer ao Tribunal Superior do Trabalho (TST), em Brasília, o que deve arrastar ainda mais a novela.

Gustavo Scarpa não esteve presente na audiência e foi representado por seus advogados. No Tribunal, o principal argumento dos desembargadores que foram contrários ao pedido do jogador foi o de esperar a decisão em primeira instância.

O CASO

O imbróglio começou no início do ano, quando Gustavo Scarpa processou o Fluminense por débitos de cerca de R$ 9 milhões referentes a atrasos salariais, FGTS e direitos de imagem. O meia conseguiu na Justiça na época a liberação e assinou contrato de cinco anos com o Palmeiras. Porém, em março o clube carioca conseguiu derrubar a liminar que liberava o meia do vínculo com a equipe.

O Palmeiras tem acompanhado o assunto à distância e não tem participado do processo. Ao assinar contrato com o jogador, o clube estipulou no acordo que possíveis imbróglios judiciais seriam de responsabilidade do atleta e sem a necessidade de se pagar multa rescisória em caso de revés nos tribunais.

Gustavo Scarpa continua afastado dos treinamentos do Palmeiras e tem mantido a forma em treinos e jogos de futsal por conta própria em Hortolândia (SP), sua cidade natal. O meia assinou vínculo de cinco temporadas, com luvas no valor de R$ 23,5 milhões.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.