Brendan Smialowski/AFP
Brendan Smialowski/AFP

Trump promete não assistir futebol e NFL caso jogadores se ajoelhem durante hino

Presidente dos Estados Unidos endossa publicação de deputado que afirma ser preferível que o país não tenha uma seleção de futebol a ter uma equipe que não fique em pé para o hino

Redação, Estadão Conteúdo

14 de junho de 2020 | 14h20

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, afirmou que não vai mais assistir a jogos de futebol das seleções norte-americanas - masculina e feminina - ou a partidas da NFL se os jogadores se ajoelharem no gramado durante a execução do hino nacional do país.

Em seu perfil no Twitter, Trump endossou uma publicação do deputado republicano Matt Gaetz, da Flórida. Na postagem, o aliado do presidente criticou a decisão da Federação de Futebol dos Estados Unidos de permitir os protestos dos atletas ajoelhados e afirmou que, em sua visão, é preferível que os Estados Unidos não tenham uma seleção de futebol a ter uma equipe que não fique em pé para o hino do país.

"Não vou assistir mais", disse Trump. Em seguida, o chefe do Executivo dos Estados Unidos acrescentou: "Parece que a NFL está indo na mesma direção também, mas não comigo assistindo".

Recentemente, a US Soccer decidiu revogar, por meio de votação, a regra que proibia os jogadores da seleção nacional de protestarem ajoelhando-se no gramado durante a execução do hino do país. A norma estabelecia desde 2017 que os jogadores de futebol deveriam "ficar de pé respeitosamente" durante a cerimônia do hino antes dos jogos. Além disso, a federação norte-americana pediu desculpas aos atletas, especialmente aos negros, e reconheceu que a proibição não deveria ter vigorado.

Por sua vez, a NFL, por meio do comissário Roger Goodell, reconheceu que a liga errou ao não dar atenção às manifestações antirracistas por parte dos jogadores e afirmou que eles devem ser livres para protestarem. A liga também assegurou que apoia a luta contra a discriminação racial e que quer ser parte da "tão necessária mudança nesse país".

Trump chegou a ironizar as declarações de Goodell, ao dizer que o comissário da NFL estaria sugerindo que seria positivo os jogadores "desrespeitarem nosso país e a nossa bandeira".

As mudanças de conduta das entidades ocorrem na esteira das manifestações que eclodiram nos Estados Unidos e em vários países do mundo em decorrência da morte de George Floyd, um homem negro de 46 anos morto por um policial branco chamado Derek Chauvin, em Minneapolis. Na abordagem, o agente permaneceu com o joelho em cima de seu pescoço por mais de oito minutos.

A US Soccer havia imposto a proibição no início de 2017 depois que a estrela da seleção Megan Rapinoe, melhor jogadora do mundo na atualidade, ficou de joelhos no gramado, repetindo o gesto de Colin Kaepernick, jogador de futebol americano, em protesto diante da violência policial contra os negros nos Estados Unidos.

A NFL tentou proibir o ato em 2018, com a imposição de uma norma que multava os times cujos atletas não se levantassem para ouvir o hino nacional. A regra, porém, caiu dois meses depois. Mesmo assim, Kaepernick foi boicotado pela liga e, sem uma equipe para atuar, concentrou seus esforços no ativismo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.