Reprodução
Reprodução

TSE recebe pedido para a criação do Partido Nacional Corinthiano

PNC nasce, se for aprovado, para ser uma legenda diferente das tradicionais e representar os 27 milhões de seguidores do time

O Estado de S. Paulo

19 de agosto de 2015 | 19h26

Os torcedores do Corinthians poderão ter maior representatividade em Brasília. Nesta quarta-feira, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) registrou um pedido oficial para a criação de mais um partido político no País, o PNC (Partido Nacional Corinthiano). Como o pedido é oficial e percorreu o caminho natural no DF, o próximo passo é passar por uma avaliação técnica dos documentos e submeter o dossiê ao ministro Henrique Neves. Para ser criado, a documentação terá de cumprir todas as exigências legais.

O PNC já tem até um site. O processo de criação do novo partido, que usará as cores branco e preto, como a do time de futebol de São Paulo, começou em agosto do ano passado, portanto há um ano. Sua bandeira é: 'somos um movimento de cidadãos e não de políticos profissionais ou homens de aparelho'. A definição do Partido Nacional Corinthiano, cuja torcida é estimada em 27 milhões no Brasil, é audaciosa. "O Partido Nacional Corinthiano nasce para construir uma nova forma de organização social, esportiva e democrática, inspirada no respeito à dignidade humana, liberdade e igualdade de oportunidades."

O movimento Democracia Corintiana, dos anos 80, e que teve Sócrates, Casagrande, Wladimir, entre outros, como ícones, serve de inspiração para a nova legenda política. O presidente do partido é Juan Antonio Moreno Granheiro, de acordo com o site G1.

INSTITUCIONAL DO SITE

O Partido Nacional Corinthiano — PNC (Partido Político em formação) está registrado perante o 2º Ofício de Registro Civil de Brasília, desde agosto de 2014 e inscrito no Cadastro Nacional de Pessoas Jurídicas sob nº 21.162.377/0001-17. Nosso crescimento está acelerado, alcançando em pouco tempo todos os Estados da Região Norte do Brasil, com destaque para o trabalho feito no Estado do Amazonas, Acre, Amapá e Roraima. Também os Estados de Piauí e Sergipe, no Nordeste, abraçaram a luta. Toda a Região Sudeste (São Paulo, Espírito Santo, Rio de Janeiro e Minas Gerais) já protocolaram suas representações do Partido Nacional Corinthiano — PNC perante a Justiça Eleitoral.

A Comissão Provisória Nacional, conforme Estatuto do PNC é composta por um Presidente (Juan Antonio Moreno Grangeiro), dois Vice-Presidentes (Queenie Filetti e Luiz Batista Lima), um Secretário Geral (Marcelo Santos Mourão) e um Secretário (Claudomir Castro da Silva) um Tesoureiro Geral (Hamilton Bonelle), um Tesoureiro (Carmen Moreno Grangeiro) e dois Conselheiros (Marcos André de Oliveira e Manuela de Oliveira). Antes mesmo de ser registrado, o Partido Nacional Corinthiano — PNC (Partido Político em formação) já chamava a atenção daqueles que, atentos, viram nascer uma fagulha da luz que brilha intensamente no coração de cada representante, membro, colaborador e apoiadores do PNC.

Tudo o que sabemos sobre:
futebolcorinthiansTSEPNCpolítica

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.