Cesar Greco/Ag. Palmeiras
Cesar Greco/Ag. Palmeiras

TST adia julgamento do caso Gustavo Scarpa por falta de quórum

Jogador continua vinculado ao Palmeiras e vai aguardar nova data para definição

O Estado de S. Paulo

18 de setembro de 2018 | 16h30

O imbróglio entre Gustavo Scarpa e Fluminense continua sem definição. Nesta terça-feira foi adiado o julgamento do recurso do Fluminense para derrubar o habeas corpus que libera o meia para defender o Palmeiras acabou adiado. Por falta de quórum, a sessão no TST (Tribunal Superior do Trabalho), em Brasília, acabou cancelada e não há nova data para realização.

Segundo informação publicada pela ESPN e confirmada pelo Estado, o julgamento não foi realizado pela ausência de integrantes. De acordo com a Subseção II Especializada em Dissídios Individuais, o ministro Renato Lacerda Paiva, vice-presidente do Tribunal, está impedido de votar sobre o assunto.

Em agosto também houve um adiamento do julgamento do caso. Na ocasião, o ministro Douglas Alencar Rodrigues pediu mais tempo para tomar a decisão e não deu seu voto. A sessão acabou interrompida com placar favorável para Scarpa. Apesar de restarem mais dois votos, a tendência é a decisão final ser favorável ao jogador, que atualmente defende o Palmeiras.

A disputa entre Fluminense e Scarpa começou em dezembro, quando o meia acionou o clube carioca na Justiça para conseguir a rescisão do contrato, ao alegar atraso salarial e dívidas trabalhistas em cerca de R$ 9 milhões. A diretoria do time não aceitou a saída e tem brigado com o jogador para conseguir restabelecer o vínculo, por ter se sentido lesado com a saída de Scarpa.

O meia chegou a ter o vínculo com o Fluminense reativado durante três meses, até conseguir um habeas corpus para ser liberado e retomar o contrato com o Palmeiras. É exatemente este habeas corpus que o time carioca tenta derrubar. Já a equipe alviverde entende que não é parte no processo. O departamento jurídico tem monitorado o caso à distância.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.