TST libera Juninho Pernambucano

Definitivamente livre do Vasco, já que o Tribunal Superior do Trabalho (TST) confirmou a sua desvinculação, o meia Juninho Pernambucano garantiu que não pretende ser um "pioneiro", mas ficaria satisfeito se outros jogadores passassem a reivindicar os seus direitos. "Não fiz com esta intenção, mas queria que os jogadores passassem a reclamar do atraso de salário que é um dos piores erros no futebol", contou.Juninho conseguiu o seu passe ao alegar, na Justiça do Trabalho, que o Vasco atrasava salários e não pagava direitos trabalhistas. Agora, o seu objetivo é pensar no Lyon, clube para onde se transferiu, e na seleção brasileira. "O Luiz Felipe disse que vai trabalhar com cerca de 30 jogadores e acho que tenho condições de estar neste grupo." O técnico Joel Santana evitou comentar a possibilidade de o atacante Edmundo e o lateral-esquerdo Felipe retornarem ao Vasco, já que os empréstimos dos dois para o Napoli e para o Palmeiras, respectivamente, acaba neste meio do ano. "Ainda nem ajeitei a cozinha, que é a defesa, como posso pensar no meio-de-campo e no ataque", disse o técnico, sem nada explicar.A atitude de Joel pode ser compreendida ao se analisar a estrutura de poder do Vasco, em que os técnicos têm de ser subservientes ao presidente do clube, Eurico Miranda. O dirigente brigou com ambos os jogadores, que, por isso, dificilmente devem voltar a atuar ao time carioca. Eurico terá de negociar o passe dos dois.

Agencia Estado,

15 de junho de 2001 | 20h11

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.