Charles Platiau/Reuters
Charles Platiau/Reuters

Tuchel comenta situação de Neymar e reclama de falta de reforços em janeiro

Entretanto, técnico afirma não ter problema com diretor esportivo do PSG, Antero Henrique

Redação, Estadão Conteúdo

02 de fevereiro de 2019 | 16h24

O técnico do Paris Saint-Germain, Thomas Tuchel, concedeu entrevista coletiva neste sábado, onde disse manter contato com Neymar após o brasileiro voltar a sofrer com lesão no pé e comentou sobre o mercado de transferências do PSG no inverno europeu, admitindo não estar totalmente satisfeito.

"Eu o abraço quando ele está aqui no Camp des Loges (CT do PSG). Trocamos mensagens e estamos em contato quando ele não está aqui. Esse contato absolutamente não pode ser perdido. O que é mais importante é quando ele estará de volta", afirmou Tuchel sobre Neymar, sem falar sobre o processo de recuperação do atacante brasileiro.

Já sobre a janela de reforços, Tuchel elogiou a única contratação do time, o meia argentino Leandro Paredes, mas disse que queria mais. "Se eu estou decepcionado? Não. A janela de inverno é sempre complicada. Quem quer perder seu jogador, quem quer dar um jogador pra outro clube? Ninguém. São poucas as possibilidades no mercado de inverno. É muito difícil. Estou muito satisfeito com o Leandro Paredes. Eu acho que ele pode ser muito bom para gente. Satisfeito completamente? Não, claro que não. Temos que aceitar e o mais importante para um treinador é se concentrar nas coisas possíveis. Todos jogadores têm minha confiança", relatou.

Na sequência, o treinador alemão foi questionado sobre sua relação com o diretor esportivo Antero Henrique, principal responsável pelas negociações de jogadores. "Muitas coisas foram escritas na imprensa, mas não é o momento de comentar. Vocês sabem os meus desejos para esse time desde o início do verão e ao longo desse inverno. Estamos próximos, ele tem as suas ideias e eu as minhas", afirmou.

O PSG enfrenta o Lyon pelo Campeonato Francês neste domingo, às 18h. O time parisiense lidera o certame com 56 pontos, dez a mais que o segundo colocado, o Lille, apesar de ter disputado três jogos a menos neste momento.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.