Carl Recine/Reuters
Carl Recine/Reuters

Tuchel se junta à delegação do Chelsea para final do Mundial contra o Palmeiras

Treinador alemão estava com covid-19 e, após testar negativo, foi liberado para viajar aos Emirados Árabes Unidos

Redação, Estadão Conteúdo

11 de fevereiro de 2022 | 17h34

O técnico Thomas Tuchel vai comandar a equipe do Chelsea na final do Mundial de Clubes, neste sábado, em Abu Dabi, diante do Palmeiras, a partir das 13h30 (horário de Brasília). Após ficar de fora da semifinal, o treinador testou negativo para covid-19 e se juntou nesta sexta-feira ao restante da delegação inglesa nos Emirados Árabes Unidos.

Apesar de não estar com o grupo, Tuchel participou ativamente da preparação do Chelsea para o duelo com o Al Hilal, da Arábia Saudita, por meio de videoconferências. No período, o auxiliar húngaro Zsolt Low foi o responsável por comandar a equipe no banco de reservas. No duelo, o campeão europeu conquistou vitória pelo placar mínimo e avançou à decisão do torneio da Fifa para enfrentar o Palmeiras, que havia batido o egípcio Al Ahly.

Tuchel só tem duas dúvidas para escalar a equipe para a final. Uma é no gol, pois Mendy, que estava na Copa Africana de Nações representando a campeã seleção de Senegal, foi substituído pelo espanhol Kepa, que fez boas defesas na semifinal. Outra dúvida é com relação ao meia Mason Mount. O inglês está voltando de lesão e batalha por uma vaga entre os titulares diante do Palmeiras.

Apesar dar recentes notícias sobre desentendimentos entre o técnico alemão e alguns integrantes do elenco do Chelsea, entre eles o centroavante Romelu Lukaku, a presença do técnico em Abu Dabi foi unanimidade entre os atletas da equipe inglesa após a partida de semifinal. Eles ressaltaram a importância de contar com o alemão no banco de reservas.

Nesta sexta-feira, em entrevista coletiva, o técnico palmeirense Abel Ferreira falou que gostaria de ter o oponente no jogo, mas ressaltou que, com tempo de trabalho, os atletas já têm conhecimentos dos métodos, entendimentos e estratégias do treinador e sua presença, à beira do gramado já não é tão relevante quanto em um início de trabalho.

"Se o Tuchel estivesse no Chelsea há um mês, diria que faria muita falta. Mas ele está no Chelsea há tanto tempo quanto eu estou no Palmeiras. Então ele tem e teve tempo de passar suas ideias. Espero e desejo que ele possa estar presente no banco porque é assim que eu gostaria de confrontar o Chelsea", declarou Abel Ferreira antes da confirmação da chegada do alemão aos Emirados Árabes Unidos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.