Tuma quer o impeachment de Dualib

Os conselheiros do Corinthains ficaram revoltados com a postura do presidente Alberto Dualib por ter aberto sua sala para o representante da MSI, o iraniano Kia Joorachian, dar uma entrevista coletiva nesta segunda-feira. Não suportaram ouvir ele dizer que a parceria já está fechada. E ainda se comportar como um dirigente do clube. "É uma mentira sem cabimento. Não tem nada assinado. O Dualib e este iraniano estão tentando impor a parceria com um grupo que ninguém sabe se existe e se é limpo. Quando o Dualib quer contratar um empregado para a sua casa ele telefona para um delegado e pede a ficha do cidadão. No Corinthians, quer fazer diferente", desabafou, irritado, o delegado Romeu Tuma Júnior. "Se ele acha que pode passar por cima dos conselheiros, vai se arrepender. Vamos buscar o seu impeachment", ameaçou o conselheiro Romeu Tuma Júnior, que acionou seus amigos na Interpol para investigar Kia Joorabchian, a MSI e o seu envolvimento com o russo Boris Beresowiski, fugido da Rússia por envolvimento com a máfia chechena. A entrevista coletiva não esclareceu nada. Kia não mostrou nenhuma prova do que pretende no Corinthians. Nem de onde viria o dinheiro. Muito menos como pretende conseguir lucro com esse negócio. Comprovou ser amigo de Berezovski e ter lhe oferecido uma participação na sociedade com o Corinthians. O iraniano também não vê nada de errado se a empresa (MSI) tiver também sede em um paraíso fiscal. E chocou a todos ao dizer que o acordo foi resolvido. "Para mim, a parceria já está fechada. Houve uma votação e 341 conselheiros aprovaram e sete negaram. Só falta o detalhe da assinatura do contrato", afirmou Kia. ?Detalhe? Sem assinatura não existe contrato. Isso é mais uma mentira. Foi aprovado apenas o pré-contrato. Uma comissão está avaliando se vale a pena assinar esse contrato ou não. Aqui é o Brasil e o clube é o Corinthians. Ele não está negociando com uma cidade do interior de Nassau, na África", rebateu Tuma. O clima está ficando bélico no Parque São Jorge. Os conselheiros têm conversado muito sobre a postura de Dualib. "Ele se comporta como se já tivesse acertado o contrato lá na Inglaterra. Mas o Corinthians não é uma ditadura. Sou amigo dele, mas a parceria ainda não existe. Só vai existir se os conselheiros aprovarem. Falem o que quiser", garante o conselheiro e juiz Miguel Marques e Silva. Kia percebeu durante a sua entrevista coletiva que as perguntas eram em sua maioria sobre o russo Beresowiski. E admitiu o que ninguém esperava. "Ofereci, queria que ele estivesse participando da parceria com o Corinthians. O Bóris ficou de pensar se estaria interessado ou não." Desviando o foco das perguntas, Kia declarou que pensa contratar dois jogadores. Mas ninguém acreditou, já que o contrato ainda não está assinado.

Agencia Estado,

30 Agosto 2004 | 20h05

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.