Tumulto e arquibancadas esgotadas para Palmeiras x Ponte

Filas compridas e confusão entre policiais e torcedores na tentativa de garantir lugar na decisão do Paulistão

Redação

29 de abril de 2008 | 13h12

A venda de ingressos nesta terça-feira para a final do Paulistão 2008 entre Palmeiras x Ponte Preta teve, mais uma vez, confusão de todos os tipos, em todos os postos de venda. A maior de todas acontece no Estádio Palestra Itália, casa do time alviverde. Os bilhetes para arquibancada se esgotaram em menos de cinco horas e alguns torcedores brigaram com a polícia, sem registro oficial de feridos.Veja também: As imagens do conflito entre torcedores e polícia na fila no Palmeiras Serviço: para quem vai ao Palmeiras x Ponte, final do Paulistão Ainda sem ingressos, Ponte define distribuição aos torcedoresSegundo os funcionários do Palmeiras, apenas ingressos para a numerada coberta (R$ 120) estavam à disposição no começo da tarde. Por causa disso, o tumulto foi grande, com conflitos entre os torcedores que estavam na fila. Problemas como fingimento de lesões (curativos falsos, como exemplo), roubos e "laranjas" para conseguir o bilhete (usar mulheres com crianças de colo) foram alguns dos registrados. Cambistas que costumam atuar neste tipo de evento aproveitavam para tentar vender seus bilhetes e alguns cobravam até R$ 150 pelo ingresso de R$ 40, para a arquibancada. A numerada descoberta (R$ 100) também acabou. Outros eram vistos tentando conseguir mais bilhetes, mas pelo excesso de pessoas aparentemente tiveram dificuldades. Até arrastão foi tentando, mas a polícia impediu em parte.A Polícia Militar deslocou muitos homens para fazer a segurança (total não foi divulgado), mas teve dificuldades para organizar os torcedores, que quando souberam do fim dos bilhetes de arquibancada, começaram a entoar gritos de protesto contra a diretoria do Palmeiras. A partir disso, a briga se estabeleceu com os policiais e os torcedores, que tentaram derrubar as grades de proteção, em tom de revolta, revidaram atirando garrafas e pedras. Foi preciso usar até gás lacrimogênio para acabar com a confusão.Nos outros pontos de venda pela capital, também foram registradas filas. Em Santo André, a venda começou com atraso, apenas no início da tarde, e a fila também era grande. Os ingressos se esgotaram rapidamente, com os torcedores reclamando da quantidade pequena destinada. Do total de bilhetes, a direção do Palmeiras reservou três mil bilhetes para sócios e diretores do clube.PONTE NA DÚVIDADos 27.685 mil ingressos, foram destinados à torcida da Ponte Preta 2.600. Até esta terça-feira os dirigentes do time campineiro ainda esperavam por uma definição da Federação Paulista de Futebol (FPF) sobre como seriam comercializados. O preço, como são apenas de arquibancada, é de R$ 40. Atualizado às 14h36 para acréscimo de informações

Tudo o que sabemos sobre:
PalmeirasPonte PretaPaulistão A-1FPF

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.