Tumulto no Beira-Rio é investigado

O governo do Rio Grande do Sul já começou a tomar providências para descobrir causas e culpados da confusão ocorrida domingo no Beira-Rio, após o jogo entre Inter x Fluminense. O major Nelson Alexandre Minuzzi, comandante da operação, foi afastado nesta segunda-feira pelo governador em exercício, Antônio Hohlfeldt. No final do jogo, um conflito entre a torcida do Inter e a Brigada Militar deixou um homem e uma criança feridos. Durante o tumulto, soldados da Brigada lançaram bombas de gás lacrimogêneo contra os torcedores.A 20ª Delegacia de Polícia de Porto Alegre abriu inquérito para apurar se houve abuso de poder e o comandante-geral da Brigada, o coronel Airton Carlos da Costa, confirmou a instalação de investigação interna. O MP Estadual vai requisitar as fitas do jogo e também deve apurar o caso.Fernando Carvalho, presidente do Inter, disse que o clube vai abrir sindicância para investigar as ações de sua torcida organizada, que teria iniciado o conflito com os policiais.Otávio Rojas, vice-presidente de marketing do Inter, fez duras críticas à Brigada. Segundo ele, policiais quebraram hastes de 290 bandeiras que estavam com crianças, alegando que eram armas em potencial. ?É a mesma bandeira que entra há 5 anos nos jogos no Beira-Rio. Agora descobriram que é uma arma?, disse.Nesta segunda-feira, Antônio Hohlfeldt visitou o Beira-Rio e disse que vai ao estádio na quarta, quando o Inter pega o São Paulo, para provar a segurança do local.

Agencia Estado,

03 de outubro de 2005 | 20h12

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.