Reuters
Reuters

Tunísia apela à CAS contra possível exclusão da Copa Africana

Confederação Africana de Futebol ameaça excluir país da edição de 2017 após protestos contra erro de arbitragem nas quartas

Estadão Conteúdo

19 de fevereiro de 2015 | 12h01

A Corte Arbitral do Esporte (CAS, na sigla em inglês) informou nesta quinta-feira que recebeu uma apelação da Federação Tunisiana de Futebol (FTF) contra a possível exclusão da seleção do país da Copa Africana de Nações de 2017. A Confederação Africana de Futebol (CAF) ameaçou tirar a Tunísia do torneio após problemas disciplinares na edição deste ano.

No dia 31 de janeiro, os tunisianos foram eliminados nas quartas de final da Copa Africana diante da dona da casa, a Guiné Equatorial, ao serem derrotados por 2 a 1 na prorrogação. A equipe vencia por 1 a 0 até os acréscimos, quando um pênalti inexistente foi marcado para os anfitriões, que chegariam ao triunfo no tempo extra.

A marcação gerou revolta dos jogadores e da comissão técnica, que foram para cima da arbitragem e precisaram ser contidos pela polícia, e até do presidente da FTF, Wadie Jary, que acusou um possível beneficiamento aos donos da casa. Irritado, Jary ainda pediu seu desligamento do cargo no dia seguinte à derrota.

Isso não impediu que a CAF suspendesse o presidente por se negar a pedir desculpas. A entidade ainda multou a FTF em US$ 50 mil e ameaçou excluir a seleção do país da próxima Copa Africana se não receber o pedido de desculpas dos tunisianos pela acusação de favorecimento à Guiné Equatorial.

A CAF deu até o dia 31 para que a Tunísia se desculpasse formalmente. Mas o país espera que a apelação junto à CAS lhe garanta o direito de jogar o torneio em 2017 sem precisar se desculpar.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.