Ueslei Marcelino/Reuters
Ueslei Marcelino/Reuters

Tunísia se apoia em desempenho nos amistosos para crer em boa campanha na Rússia

Seleção africana se animar após boas atuações diante de Portugal e Espanha

Estadão Conteúdo

17 Junho 2018 | 15h02

O desempenho da Tunísia nos últimos amistosos antes da Copa do Mundo servem de base para a seleção conseguir um bom resultado na estreia diante da Inglaterra, nesta segunda-feira, às 15 horas (de Brasília), em Volgogrado, e até por uma campanha satisfatória na Rússia.

+ Tunísia sonha alto e quer fazer história na Copa: 'O mais longe possível'

+ Southgate define a Inglaterra, mas não revela a escalação para a estreia na Copa

O técnico Nabil Maaloul ignorou o fato de os tunisianos nunca terem chegado à fase de mata-mata do Mundial e chegou a dizer que quer ir "o mais longe possível". Neste domingo, em entrevista ao site oficial da Fifa, ele elogiou o rendimento da equipe nos últimos amistosos - chegou a empatar com Portugal em 2 a 2 e fez um bom jogo na derrota por 1 a 0 para Espanha - e traçou uma meta: chegar às quartas de final.

"Essa geração tem muita qualidade e o nosso objetivo é chegar às quartas de final, especialmente se jogarmos em alto nível como fizemos nos últimos jogos amistosos", disse o treinador.

A missão da Tunísia para realizar o sonho do treinador e dos torcedores não é fácil. Além da Inglaterra, grande candidata a passar à próxima fase, a seleção africana, integrante do Grupo G, enfrenta a Bélgica, outra favorita à vaga nas oitavas, e o Panamá na primeira fase do torneio.

 

Apesar da dificuldade iminente que os africanos devem enfrentar, Maaloul garante que seus comandados estão preparados para enfrentar a Inglaterra. "Estamos prontos para a partida. Vamos encarar uma das melhores seleções do torneio. Todos os jogadores da Inglaterra disputam o Campeonato Inglês e jogam em alto nível", afirmou.

A Inglaterra também cruzou o caminho da Tunísia em 1998, na Copa da França. Na ocasião, os ingleses venceram por 2 a 0, com gols de Paul Scholes e Alan Shearer. Desta vez, os tunisianos querem fazer diferente.

"Em 1998 a partida aconteceu em circunstâncias muito diferentes. Hoje jogamos um futebol muito mais sofisticado", considerou o zagueiro Ferjani Sassi.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.