Moisés Castillo/AP
Moisés Castillo/AP

Turismo brasileiro torce para vitória do México na repescagem para a Copa

País é o único entre os dez maiores compradores de ingresso para o torneio que não se classificou

Gustavo Aguiar, Especial para O Estado

18 de outubro de 2013 | 08h00

SÃO PAULO - Entre as dez torcidas mundiais que mais fizeram solicitações de ingresso à Fifa na primeira fase da venda de bilhetes para a Copa do Mundo de 2014, a do México é a única que ainda não garantiu o carimbo no passaporte. Isso porque a seleção mexicana pode acabar sem se classificar para o Mundial. Como a presença de turistas mexicanos costuma ser grande em torneios mundiais, a ausência desse grupo está preocupando os donos de hotéis e de agências de viagens no País. Se a seleção mexicana não se classificar na repescagem intercontinental contra a Nova Zelândia, considerada como um forte oponente, as expectativas dos setores hoteleiro e de turismo durante o evento podem acabar se frustrando.

 

Apesar da indefinição sobre o resultado das duas partidas decisivas contra os neozelandeses, em novembro, o grupo mexicano Mundomex está vendendo pacotes para um cruzeiro marítimo com 2 mil torcedores para viajar pelas cidades-sede litorâneas durante o evento, com preços de até US$ 14,5 mil, incluindo entradas para as partidas. A agência Nevada Tour fechou acordo com o Programa de Hospitalidade Oficial da Copa e está oferecendo sete pacotes diferentes para os mexicanos que desejam acompanhar de perto o mundial. Dois deles já estão esgotados, mesmo após a seleção do México ter perdido para a Costa Rica nas Eliminatórias.

 

Mesmo sendo de família costa-riquenha, o gerente comercial Maurício Escobar, do hotel Best Western Solar, em Porto de Galinhas, confessa que torceu para o México no último confronto. "Comercialmente, é melhor que eles venham, e não os costa-riquenhos. O México traz o principal público das copas e torneios mundiais e é muito mais lucrativo para os hotéis brasileiros garantir esse público."

 

A expectativa durante a Copa é de que uma média de 40 mil mexicanos desembarquem no País. Na Copa das Confederações, em junho, eles formavam a segunda maior torcida nos jogos, atrás apenas dos brasileiros. "A hotelaria está em peso torcendo para o México. A Nova Zelândia não tem muita tradição nas Copas, dificilmente vai mandar a mesma quantidade de turistas que o México mandaria", avalia o presidente da Associação Brasileira da Indústria de Hotéis, Enrico Fortes.

 

"O mercado mexicano é muito importante para o turismo durante a Copa. Mas não há com o que se preocupar", tranquiliza diretora de mercados internacionais da Empresa Braileira de Turismo (Embratur), Leila Holsbach. A diretora avalia que eles não deixarão de vir ao Brasil mesmo que a equipe mexicana não seja classificada. Além dos jogos, o que atrai o grupo para o País, de acordo com Leila, são as boas relações culturais entre as duas nações. "Eles se identificam com nossas festas e torcem para o nosso futebol", argumenta.

 

Segundo a Fifa, o número de solicitações de ingressos atingiu os 5,5 milhões. Até agora, o México é o 10.º país na lista de pedidos. Mesmo assim, o número de mexicanos pode ser ainda maior porque muitos deles vivem nos Estados Unidos - e fizeram o pedido pelo país vizinho. Não é por acaso que os EUA são o segundo da lista de solicitações, atrás apenas do Brasil. O ranking inclui a Argentina, em terceiro lugar, a Alemanha, em quarto, e o Chile, em quinto. Em seguida vêm Inglaterra, Japão, Colômbia e Austrália, respectivamente.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.