Ivan Alvarado/Reuters
Ivan Alvarado/Reuters

Argentinos dão de goleada nos brasileiros na Copa América

Apenas 45.877 brasileiros foram ao Chile para apoiar a seleção

O Estado de S. Paulo

04 de agosto de 2015 | 10h55

Nesta terça-feira, a organização da Copa América do Chile, realizada de 11 de junho a 4 de julho deste ano, e vencida pela seleção da casa, divulgou os números relativos a turismo e a audiência no período da competição. Segundo os dados oficiais, cerca de 300 mil turistas visitaram o território chileno neste intervalo. Destes, 115.452 eram argentinos, enquanto os brasileiros foram contados em 45.877.

Talvez este seja um dos reflexos do 'desencantamento' da torcida perante a seleção brasileira. A Argentina, por sua vez, esbanjava confiança após o vice-campeonato mundial, conquistado justamente no Brasil, em 2014. Porém, amargou o segundo lugar mais uma vez na Copa América, após derrota para a seleção da casa na final.

Os dados do Ministério de Economia, Desenvolvimento e Turismo do Chile registraram aumento de 47% no turismo do país em relação ao mesmo período de 2014, injetando R$ 70 milhões na economia. Em termos de audiência, o Facebook registrou 59 milhões de perfis que falaram sobre o torneio, o que gerou 309 milhões de interações. Em tuítes, a Copa América atingiu a marca de 7,3 bilhões de posts no microblog. No Instagram, foram 185 milhões de registros.

A Copa América de 2015, apesar do sucesso, foi explorada comercialmente pelas empresas Full Play, Torneos y Competencias e Traffic, todas ligadas ao escândalo de corrupção da Fifa. Em 2016, outra edição da Copa América está prevista para acontecer, porém, o bloqueio dos bens das empresas detentoras dos direitos e a prisão de presidentes de confederações vem colocando a competição em xeque. Caso realmente aconteça, o torneio será sediado nos Estados Unidos e marcará o centenário da Copa América.

Tudo o que sabemos sobre:
futebolCopa América

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.