Turma do Pânico aterroriza a Seleção

O que era para ser sério virou palhaçada. Concentrados para o jogo com o Paraguai, neste domingo, no Beira-Rio, os jogadores saíram do almoço para atender à imprensa num hotel de Porto Alegre, mas tiveram pouca oportunidade para falar de futebol. A turma do Pânico na TV, da RedeTV, roubou a cena na concentração do Brasil, debochou dos atletas, do técnico Carlos Alberto Parreira e deixou muita gente constrangida.Ronaldinho Gaúcho foi o primeiro alvo dos dois atores do programa humorístico - um deles estava vestido de Milton Neves, apresentador da TV Record, e o outro, de Casagrande, ex-jogador e comentarista da Globo. Enquanto o meia conversava com os repórteres de rádio, tevê e jornal, os personagens do Pânico cheiravam seu cabelo. Logo na primeira chance, começaram a gritar com o craque. "Ronaldinho, seu cabelo é muito cheiroso, recomendamos um condicionador..." Os rapazes levaram dois anões ao local, um com a camisa do Tevez e outro do Robinho. "Cumprimente o Tevez, Ronaldinho", brincaram eles, enquanto levantavam o anão para que o meia o cumprimentasse. E mandaram o Robinho em forma de miniatura pedalar na frente do astro do Barcelona. Ronaldinho, incomodado, embora sorridente como de hábito, tentou se livrar dos personagens o mais rápido possível.Adriano não foi poupado das amolações e caiu na gargalhada. "Jogue bem, Adriano, para que aquele gordo do Ronaldo não volte mais para a seleção", falou a cópia do Milton Neves. O atacante da Internazionale, de Milão, ficou constrangido, é claro, e deu um sorriso discreto.Nem mesmo Parreira escapou das brincadeiras do pessoal do Pânico na TV. Assim que chegou para dar a entrevista coletiva, os atores correram para sua direção e começaram a fazer um bombardeio de perguntas.Ajudado por Rodrigo Paiva, assessor de Imprensa da seleção, o treinador conseguiu se desvencilhar dos dois chatos.Durante a coletiva, porém, eles voltaram a aparecer. Pediram o microfone e fizeram uma pergunta. "Parreira, passamos a noite toda tentando falar com os jogadores, mas não conseguimos. Os telefones dos quartos estavam bloqueados. Por que isso?" Parreira disse que o procedimento é adotado com o objetivo de manter a privacidade dos atletas. "Imaginem se 200 pessoas passarem o dia ligando na sua casa ou telefonarem de madrugada, vocês não iam gostar", respondeu o comandante do time brasileiro. "É que nós queríamos convidá-los para ir à Gruta Azul (famosa casa noturna de Porto Alegre)", explicaram os dois, arrancando risos dos jornalistas e do próprio Parreira.A assessoria da seleção liberou-os para participar das entrevistas.Eles, afinal, estavam credenciados e trabalhando. Boa parte dos repórteres, porém, não gostou nada do episódio. A imprensa foi prejudicada em sua atividade.O Pânico na TV faz cada vez mais sucesso. Silvio Santos está em negociação para levá-los para o SBT.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.