Tom Hevezi/EFE
Tom Hevezi/EFE

Turquia diz ser favorita a sediar final da Eurocopa de 2020

Secretário da Federação Turca garantiu que presedente da Uefa prometeu apoio à cidade

AE-AP, Agência Estado

18 de setembro de 2013 | 11h13

DUBROVNIK - A Turquia acredita que está no "topo da lista para sediar" a final da Eurocopa de 2020, depois de Istambul perder a disputa para organizar a Olimpíada de 2020 para Tóquio. Esse otimismo existe porque o presidente da Uefa, Michel Platini, prometeu o seu apoio em janeiro para Istambul receber a final e semifinais do torneio, de acordo com Emre Alkin, secretário-geral da Federação Turca de Futebol.

"É tudo sobre promessas e o senhor Platini em uma conversa cara a cara nos prometeu, e eu sublinho nos prometeu, que se não conseguíssemos os Jogos Olímpicos, certamente teríamos o pacote final (da Eurocopa de 2020)", disse Alkin.

O apoio de Platini para a Turquia se deu após a sua França natal superar a tentativa turca de receber a Eurocopa de 2016. O torneio de 2020 será realizados em 13 países e a Uefa vai anunciar nesta sexta-feira quais são os candidatos oficiais para sediar jogos do torneio.

Doze cidades irão receber três jogos da fase de grupos e um do mata-mata, enquanto a final e as semifinais serão realizadas em uma outra sede. As cidades serão escolhidas em setembro de 2014. Alkin espera que "três ou quatro, incluindo a Turquia" dos 54 países-membros da Uefa vão tentar sediar as finais. E esses concorrentes poderiam ser a Espanha, a Alemanha e a Hungria.

A Turquia pretende sediar as semifinais e a final da Eurocopa de 2020 no Estádio Olímpico Atatürk, em Istambul, que tem capacidade para 72 mil espectadores e poderia ampliar a sua capacidade para 80 mil pessoas. Em 2005, o estádio recebeu a decisão da Liga dos Campeões da Europa, em que o Liverpool venceu o Milan na disputa de pênaltis.

Tudo o que sabemos sobre:
futebolEurocopa de 2020Turquia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.