Ucrânia faz mistérios e Blokhin sai calado de coletiva

A entrevista coletiva deste domingo com o técnico da Ucrânia, Oleg Blokhin, foi encerrada antes mesmo de começar. Um dia antes da partida oitavas-de-final contra a Suíça, a imprensa internacional não conseguiu falar com o treinador (Bola de Ouro em 1975 como jogador) por falta de um interprete.Como Blokhin só fala russo e não havia nenhum jornalista na sala de conferências do hotel onde a seleção da Ucrânia está hospedada que fala a sua língua, o técnico - após dez minutos de um silêncio constrangedor - deu um sorriso, levantou-se e foi embora.Os jornalistas presentes, que não se atreveram a arranhar um pouco de russo, voltaram-se ao assessor de imprensa da Ucrânia, Igor Mirochnitchienko, que se desculpou e disse que ele mesmo não tinha um bom inglês e que por conta disso não poderia servir de intérprete para a coletiva.A Fifa só cede tradutores em entrevistas nos dias das partidas, por isso quem deveria cuidar deste "detalhe" na coletiva deste domingo era a Federação Ucraniana de Futebol. Aliás, há rumores que o incidente poderia até ser uma estratégia de Blokhin, pois nenhum jogador da seleção ucraniana dá entrevistas, só o treinador, que faz mistério sobre a escalação de sua equipe para o jogo contra a Suíça, na segunda-feira, às 16h (de Brasília), em Colônia.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.