Tiziana Fabi/AFP
Tiziana Fabi/AFP

Uefa abre investigação para apurar envolvimento de Ibrahimovic com site de apostas

Atacante sueco, que recentemente renovou com o Milan, pode pegar até três anos de suspensão

Redação, O Estado de S.Paulo

26 de abril de 2021 | 16h41

A Uefa abriu investigação sobre o possível envolvimento do atacante Zlatan Ibrahimovic, do Milan, com o site de apostas Bethard.com. O sueco pode ser banido por futebol por até três anos.

"De acordo com o artigo 31 do Código Disciplinar da Uefa, o inspetor de Ética e Disciplina foi indicado hoje para conduzir uma investigação sobre uma potencial violação do Código Disciplinar pelo senhor Zlatan Ibrahimovic, por um suposto interesse financeiro em uma companhia de apostas. Mais informações sobre o caso estarão disponíveis no tempo devido", diz o comunicado da Uefa.

A informação da ligação do jogador com o site foi divulgada pelo jornal sueco Aftonbladet no começo de abril. O código de ética da Uefa não permite que atletas ou outras pessoas envolvidas com futebol tenham interesses financeiros em casas de apostas. A reportagem explicou que a empresa comandada pelo atacante, a Zlatan Unknown AB, tem 10% de participação acionária na Gameday Group PCL, empresa que é a única dona da Bethard.com. 

Em 2020, o site de apostas teve lucro de 30 milhões de euros (R$ 203 milhões, na cotação atual). O diretor geral da empresa, Erik Skarp, confirmou a participação de Ibrahimovic ao Aftonbladet.

O banimento por até três anos é uma das punições previstas para atletas que violem as regras, além da aplicação de uma multa de 100 mil euros (R$ 677 mil). A punição poderia representar o fim da carreira de Ibrahimovic, que já tem 39 anos. 

Na semana passada, o atacante sueco renovou o contrato com o Milan por mais uma temporada. 

Em 2020, Daniel Sturridge, atacante com passagens por Chelsea e Liverpool, foi banido por quatro meses do futebol por fornecer informações privilegiadas ao irmão para que fizesse apostas sobre uma possível transferência do jogador para o Sevilla, que acabou não se concretizando.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.