Georg Hochmuth/EFE
Georg Hochmuth/EFE

Uefa ameaça romper com a Fifa se Blatter for eleito nesta sexta

Presidente da Uefa, Michel Platini pede a demissão do cartola

Jamil Chade, correspondente em Zurique, O Estado de S. Paulo

28 de maio de 2015 | 11h08

Apesar do esquema de corrupção que invadiu a Fifa nesta quarta-feira, com a prisão de sete de seus membros, a eleição para presidente na entidade será mantida nesta sexta-feira. Mas a Uefa alerta que não descarta que uma eventual vitória de Joseph Blatter pode fazer com que a Europa abandone a entidade, isso teria o peso de transformar a Copa do Mundo numa Copa América. Rachar com o Fifa significa tirar todos as seleções do continente das competições organizadas pela entidade.

Após reunião de seus membros, entre eles o presidente Michel Platini, a Uefa decidiu pelo não boicote da votação. Pelos cálculos dos europeus, o boicote significaria nesse momento a certeza de que Joseph Blatter teria mais quatro anos como presidente da entidade. O suíço é um dos candidatos no pleito. A Uefa, porém, fez um apelo para que todos os seus 54 membros votem no príncipe jordaniano Ali Bin Al Hussein. A manobra visa tentar derrubar a candidatura de Blatter, que perecia iminente até a divulgação do escândalo. Nesta quarta-feira, membros da Uefa chegaram a considerar a hipótese de pedir o cancelamento da eleição, alegando que não haveria condição para que uma votação justa pudesse acontecer. Mas não houve consenso na entidade nesse momento.

Durante a manhã desta quinta, Blatter esteve agitado e em várias reuniões de emergência com seus principais pares para evitar um racha na entidade. O suíço ainda não se manifestou sobre as prisões dos membros da Fifa pela Justiça dos Estados Unidos, baseadas em acusações de corrupção. Os 11 membros da entidade envolvidos nas investigações do FBI foram banidos do seu quadro diretivo, entre eles o ex-presidente da CBF, Jose Maria Marin.

Nesta quinta, o presidente da Uefa, Michel Platini, pediu oficialmente a Blatter que ele deixe o futebol. Mas o suíço se recusou a tomar qualquer atitude. Blatter posiciona-se acima das investigações. O FBI também deixou claro que ele não está sendo investigado. "Basta", disse o francês. "Ele já perdeu. A Fifa já perdeu", insistiu. Platini indicou que Blatter estaria "perturbado".

RACHA

Platini não descarta tomar medidas caso Blatter continue como presidente. "Precisamos tomar nossas responsabilidades. Não podemos continuar assim", disse, insinuando que um racha poderia ocorrer no futebol. Um dos cartolas da entidade chegou a declarar que, se Blatter vencer a eleição, ele abriria mão de seu cargo na entidade. Questionado se a Uefa poderia deixar a Fifa, ele foi direto: “Sim”. Platini também não descarta que seleções nacionais peçam para não jogar torneios da Fifa, como a Copa do Mundo. “Tudo está sobre a mesa. Mas vamos ver o que dizem as seleções nacionais”, declarou. Uma reunião está marcada para ocorrer em Berlim na semana que vem.

“Tenho dor de barriga as vezes. De um lado tem a Fifa e de outro a Uefa, com o futebol”, declarou Michel Platini, presidente da Uefa. “É um nojo. Chega. Para a nossa imagem, não é bom.” Segundo ele, uma grande maioria da Europa vai votar por Ali. “Fazemos o pedido para que todo o mundo faça o mesmo e apoie Ali. Só assim a Fifa pode mudar”, declarou. “A reforma que a Fifa deveria fazer foi feita pelo FBI”, completou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.