Eric Gaillard/Reuters
Eric Gaillard/Reuters

Uefa define Supercopa de 2019 como meta para início do uso do árbitro de vídeo

Aleksander Ceferin, presidente da entidade, disse que é pouco provável que a tecnologia seja usada para esta temporada na Liga dos Campeões

Estadão Conteúdo

31 Agosto 2018 | 10h46

A Uefa planeja começar a usar o árbitro assistente de vídeo (VAR, na sigla em inglês) para ajudar os juízes a partir da Supercopa da Europa do próximo ano, revelou nesta sexta-feira o presidente da entidade, Aleksander Ceferin.

O dirigente explicou ser pouco provável que a tecnologia seja usada para esta temporada na Liga dos Campeões. "Por enquanto, não parece que vai acontecer", disse Ceferin, um dia após os sorteios do grupos da competição.

O jogo da Supercopa entre os vencedores da Liga dos Campeões e da Liga Europa desta temporada será disputado em 14 de agosto de 2019, em Istambul, no estádio do Besiktas.

A Uefa poderia, então, usar árbitros assistentes de vídeo na Liga dos Campeões da próxima temporada, começando pela fase dos playoffs, e na Liga Europa a partir de 2020.

Ceferin tem sido cético em relação ao VAR, promovido fortemente pelo presidente da Fifa, Gianni Infantino, mas disse que ele funcionou melhor do que o esperado na Copa do Mundo da Rússia. "O VAR não está completamente claro agora, mas também sabemos que agora não há como volta mais", disse a autoridade eslovena.

Ainda assim, a adoção da tecnologia é mais difícil para a Uefa em razão dos jogos simultâneos em toda a Europa utilizando o material de diferentes emissoras de TV. Na Rússia, a Fifa teve uma equipe de produção única, com a maioria dos jogos ocorrendo em horários diferentes.

"Ainda não sabemos como fazê-lo", disse Ceferin, acrescentando que o uso de assistentes ao lado de cada gol pode acabar quando o VAR passar a ser adotado. "Eu não sei o que vai acontecer com o quinto árbitro. Nós precisamos do quinto árbitro?", questionou.

Falando um dia depois de entregar a Luka Modric o prêmio de melhor jogador da Europa na última temporada, Ceferin disse que a Uefa esperava a participação de Cristiano Ronaldo na cerimônia.

O português ficou em segundo lugar, atrás de seu ex-companheiro de Real Madrid na votação. "Algumas horas antes (o evento) recebemos a informação de que ele não viria", disse Ceferin. "O resto é uma questão para Cristiano."

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.